Notícia

Ensino de História pode ficar deficiente nas escolas, afirmam professores

Causa estaria ligada a mudanças de conteúdo em salas de aula nos Ensinos Infantil e Médio

Já na época do Brasil Império traições movimentavam o governo. O então imperador Dom Pedro I, era casado mas não escondia de ninguém suas aventuras.
Já na época do Brasil Império traições movimentavam o governo. O então imperador Dom Pedro I, era casado mas não escondia de ninguém suas aventuras.
Divulgação

Professores e estudantes de História debateram na tarde desta quarta-feira (17), em Vitória, a unificação da grade curricular na Educação. A Base Nacional Comum Curricular (BNC) está sendo elaborada pelo governo federal e vai definir o que será ensinado para os estudantes da Educação Infantil ao Ensino Médio. Professores de História reclamam que essa nova grade vai deixar a disciplina deficiente, pois muitos conteúdos serão retirados das aulas.

A professora do departamento de História da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Érica Cristiane Moraes da Silva, destaca que o novo modelo de currículo escolar retira da grade aulas sobre História Antiga e Medieval e Brasil Império.

“A grande problemática desse documento inicial é justamente ter cortado grande parte de temporalidades das história que são importantes para a compreensão de contextos históricos. Não só de história do Brasil, mas também temáticas referente a história antiga e medieval”, afirmou à Rádio CBN.

O diretor da Associação Nacional de História (Anpuh-ES), André Pereira, afirma que as mudanças serão prejudiciais para a educação no país. Ele diz que temas relacionados a política e economia não terão destaque no novo modelo de grade curricular.

“O foco na História do Brasil que é excessivo em colônia, pula império, depois vai para república. A abordagem, do ponto de vista teórico, está muito centrada nos estudos culturais, deixando de lado a política e a economia”, disse.

As sugestões em debate na capital capixaba serão apresentadas para Associação Nacional de História, que mantém um diálogo com o governo federal para tentar modificar esse novo modelo didático. Segundo Pereira, a BNC deve ser implantada nas escolas de todo Brasil a partir de 2017.

Ver comentários