Notícia

Majeski avalia deixar PSDB após sigla continuar na base de Temer

"Fico em uma posição extremamente constrangedora", afirmou o deputado

Majeski recebeu convite da Rede Sustentabilidade
Majeski recebeu convite da Rede Sustentabilidade
Foto: Guilherme Ferrari

O deputado estadual Sérgio Majeski avalia deixar o PSDB após a executiva nacional do partido decidir permanecer na base do governo Michel Temer.

Após a delação da JBS, que transformou o presidente da República em investigado por corrupção passiva, obstrução de justiça e organização criminosa, o comando nacional do PSDB se reuniu na semana passada, mas optou por continuar ao lado de Temer, colocando o apoio às reformas Trabalhista e Previdenciária como argumento.

Para Majeski, a escolha beira "à esquizofrenia" já que o partido também foi o responsável pela ação que pedia a cassação da chapa Dilma- Temer no Tribunal Superior Eleitoral. Apesar de o PSDB manter a aliança, o partido recorreu da decisão que inocentou a chapa. Majeski diz que a permanência do partido no governo o coloca em uma situação constrangedora.

"Isso sai do paradoxal e vai para a área da esquizofrenia partidária: fazer parte de um governo que eu estou recorrendo para cassar. Fico em uma posição extremamente constrangedora. Como eu vou falar, discursar a respeito de moralização com o meu partido fazendo parte de um governo capenga como esse do Temer?", comentou.

O deputado já recebeu convites de outros partidos. Na semana passada, a Rede Sustentabilidade ofereceu uma candidatura ao Senado em 2018. Majeski comentou que se sentiu atraído pela ideia de disputar uma cadeira de Senador.

"É uma conversa preliminar, mas fico honrado. A ideia do senado é uma ideia que me atrai, mas eu tenho muitos pés no chão. Vamos continuar conversando sobre isso, mas sem uma decisão tomada", completou.

Segundo o porta-voz da Rede no Espírito Santo, Gustavo de Biase, o convite feito ao deputado para integrar o quadro do partido faz parte do projeto da sigla para as eleições de 2018, com as possíveis candidaturas do prefeito da Serra Audifax Barcelos ao governo do Estado e de Majeski para uma das vagas do senado em disputa no ano que vem.

Gustavo de Biase, Sérgio Majeski e André Toscano: deputado foi convidado a integrar quadro da Rede
Gustavo de Biase, Sérgio Majeski e André Toscano: deputado foi convidado a integrar quadro da Rede
Foto: Divulgação

"Nacionalmente nós temos a Marina Silva e uma missão aqui no Estado. Temos conversado muito com o prefeito Audifax que tem se colocado à disposição para disputar o governo e agora com o deputado que também representa esse anseio por mudança de verdade na política", disse.

Além de falar sobre a possibilidade de mudar de partido, Majeski também comentou sobre as acusações contra o senador afastado Aécio Neves. Para o deputado, o PSDB deveria abrir um processo de expulsão contra o tucano, que se afastou da presidência do partido.

Ver comentários