Notícia

Especialista não descarta possível mordida de tubarão na Ilha do Boi

Suposta mordida de tubarão aconteceu no último domingo (11)

Especialista não descartam possível mordida de tubarão na Ilha do Boi
Especialista não descartam possível mordida de tubarão na Ilha do Boi
Foto: Eduardo Dias

A possível mordida de tubarão sofrida pela doméstica Rosilda Souza continua dando o que falar. O acidente aconteceu no último domingo (11), quando ela estava dentro da água limpando os peixes capturados pelo esposo, em uma praia ao lado da Ilha do Boi, em Vitória.

Após a mordida, Rosilda levou 35 pontos no pé direito e o médico responsável pelo atendimento a alertou sobre a possibilidade do machucado ser causado por uma mordida de tubarão.

Na avaliação do professor Agnaldo Silva Martins, que é especialista em tubarões e dá aulas para o curso de oceanografia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), as chances de uma ataque de tubarão tão próximo da praia são remotas, mas a possibilidade não pode ser descartada.

“Pela situação, eu acharia bem improvável ser um tubarão. Primeiro porque o local é bem raso, geralmente são animais maiores e que seria fácil de ver. Alguém teria visto alguma coisa. Geralmente os ataques acontecem mais distantes (da faixa de areia). Pelo fato dela estar limpando peixes, isso atrai outros peixes carnívoros. Como água é turva, eles podem morder o pé sem saber o que estão pegando. Acho mais provável que seja algum outro peixe carnívoro”, disse o professor da Ufes.

O biólogo Flávio Nascimento Coelho, que trabalha na Secretária Municipal de Meio Ambiente de Vitória, destacou que o litoral capixaba é muito procurado pelas fêmeas de tubarão nessa época do ano, por conta do período de fecundação da espécia.

Ainda de acordo com a avaliação do biólogo, a mordida no pé direito de Rosilda também poderia ser dada por uma moreia. Um peixe que também é carnívoro, tem a boca grande e vive em regiões com pedras, perecidas com a que Rosilda estava limpando os peixes.

Acostumado a pescar no litoral capixaba há mais de 20 anos, o engenheiro civil Ronaldo Teixeira, de 69 anos, que na manhã desta sexta-feira estava pescando próximo do local onde Rosilda foi mordida, não teme ataques de tubarão na região.

"Eu nunca vi tubarão por aqui, nem tenho notícia de alguém que tenha pegado um cação sequer por aqui. Em 20 anos nunca vi nada parecido", disse o pescador.

Acostumado a pescar no litoral capixaba há mais de 20 anos, o engenheiro civil Ronaldo Teixeira, de 69 anos, que na manhã desta sexta-feira estava pescando próximo do local onde Rosilda foi mordida, não teme ataques de tubarão na região.
Acostumado a pescar no litoral capixaba há mais de 20 anos, o engenheiro civil Ronaldo Teixeira, de 69 anos, que na manhã desta sexta-feira estava pescando próximo do local onde Rosilda foi mordida, não teme ataques de tubarão na região.
Foto: Eduardo Dias

A reportagem da CBN Vitória demandou as prefeituras de Vitória, Serra, Vila Velha e Guarapari para conferir números sobre o aparecimento de tubarões. A prefeitura da Serra informou que não há registros de aparecimento de tubarão no município. A prefeitura de Guarapari informou que não é de sua competência acompanhar o tema. Vitória e Vila Velha não responderam a demanda até o fechamento da matéria.

 

 

Ver comentários