Notícia

Pesquisador alerta para aumento do nível do mar e os impactos no ES

Quem alerta é o pesquisador Carlos Nobre, referência mundial em climatologia

Meaípe: bairro de Guarapari sofreu com erosão em 2017
Meaípe: bairro de Guarapari sofreu com erosão em 2017
Foto: Reprodução / Facebook

O nível do mar vai subir de 40 a 60 cm no Espírito Santo até o final deste século, o que poderá mudar a região costeira do Estado. Essa é a estimativa do pesquisador Carlos Nobre, referência mundial em climatologia.

A principal causa é o aumento nas temperaturas, segundo Nobre, que é PhD em meteorologia pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT). Ele esteve no Estado para participar da cerimônia de assinatura do termo para implantação do Centro de Estudos Climáticos Avançados do Espírito Santo, que vai investigar as causas de mudanças climáticas no Estado, como tempestades, excesso de calor e a seca.

Leia também

O pesquisador adverte que, mesmo se a temperatura parar de aumentar, o nível do mar vai continuar subindo porque as geleiras derretem devagar.

"Mesmo se estabilizarmos o aumento de temperatura, se parar de subir na segunda metade deste século ou no século XXII, ainda assim o nível do mar vai continuar subindo por séculos. Às vezes, as pessoas não entendem isso, mas é que o mar sobe muito lentamente", comenta o professor, que é engenheiro eletrônico pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA).

Para Carlos Nobre, o cenário merece atenção e o nível do mar poderá alterar a linha costeira do Estado.

"Isso é significativo. Isso muda a linha costeira, a disposição das praias, a infraestrutura costeira, o uso da costa para residências, infraestruturas e portos", disse o pesquisador.

Carlos Nobre vai coordenar os trabalhos do Centro de Estudos do Estado, que ficará localizado na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) e tem previsão de início das atividades para o segundo semestre deste ano. O Centro é uma parceria entre a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), a Vale e Ufes. Cada instituição vai entrar com determinada quantidade de recursos. O total de investimentos é da ordem da ordem de R$ 1,3 milhão.


Ver comentários