Notícia

Ofensas em rede social também motivam as demissões por justa causa

Advogado e psicóloga comentam sobre os casos mais comuns de mau comportante e também sobres maneiras de evitar a demissão

Carteira de Trabalho
Carteira de Trabalho
Foto: Reprodução internet

Muita gente usa as redes sociais ou grupos de WhatsApp para fazer reclamações ou piadas da empresa onde trabalham, dos chefes ou de colegas de trabalho. O que algumas pessoas não sabem é que essa mensagens podem ocasionar uma demissão por justa causa.

O advogado José Carlos Rizk atua na área trabalhista há mais de 20 anos e afirma que, nos últimos anos, tem notado um aumento expressivo nos processos de demissão que acontecem por causa de comentários ofensivos em redes sociais ou grupos de conversas.

Segundo ele, em muitos casos as pessoas que cometem o erro acreditam que as páginas de redes sociais são locais totalmente livres, onde elas podem escrever o que quiserem sem precisar arcar com as consequências. No entanto, o especialista destaca que os registros das mensagens podem ser usadas como provas em processos.

"Além do Facebook, teve empregado que fez print, que colocou (a imagem) em grupo de WhatsApp. A reverberação disso é muito grande. É muito importante que o empregado entenda que as redes sociais são instrumentos privados, mas que ele também sofre sanções de medidas trabalhistas quando ele publica elementos que não são razoáveis. Por exemplo, uma crítica excessiva", destacou o advogado.

Os problemas causados pela falta de disciplina também tem gerado demissões por justa causa. Em algumas ocasiões, empregados foram demitidos por discutir e até mesmo agredir algum chefe. As mentiras contadas no trabalho também aumentam as estatísticas de demissões por justa causa. A apresentação de atestados médicos falsos ainda ocasionam algumas demissões.

A psicóloga Gisélia Curry, que também atua na área de orientação para funcionários e empresários, destacou alguns erros comuns que podem ser evitados pelos empregados.

"Seja o mais o mais produtivo possível, nada de ficar futucando redes sociais e toda hora tomando aquele cafezinho. Ficar resolvendo questões pessoais dentro do trabalho é extramente constrangedor. Ficar pendurado no telefone falando de assuntos pessoais é inaceitável em um mercado tão competitivo como hoje", opinou a psicóloga.

Na dispensa por justa causa o trabalhador terá direito apenas ao recebimento do saldo de salário e das férias vencidas. O trabalhador não terá direito ao aviso prévio, a multa de 40% sobre o FGTS, o saque do FGTS. Ele também não poderá requerer seguro-desemprego.

PORTEIRO DEMITIDO

Em mais um dos exemplos de mau comportamento no trabalho, um porteiro de um prédio comercial de Vitória foi recentemente demitido por justa causa por ter relações sexuais com uma amante durante o horário de trabalho.

Na mesma ocasião, o funcionário do prédio foi surpreendido pela esposa e o casal trocou agressões no local de serviço do porteiro. Após a demissão, o porteiro processou os empregadores com a intenção a reverter a situação, mas a sentença do juiz foi favorável aos ex-patrões do porteiro. Também pesou contra o porteiro o fato dele permitir a entrada de pessoas não autorizadas no prédio.

A sentença proferida pelo juiz responsável pelo caso também relata que o porteiro abandonou o posto de trabalho, onde estava de plantão durante a noite, e cobriu câmeras de vigilância do prédio para que as irregularidades cometidas por ele não fossem flagradas.

Ver comentários