Notícia

3ª Ponte: nova proposta para barreira tem grade afastada nas laterais

Um escritório de arquitetura propõe colocar a estrutura nas laterais, com uma espécie de tela metálica posicionada embaixo da mureta, como se fosse uma gaiola

Representação gráfica de instalação do sistema de proteção sugerido na Consulta Pública
Representação gráfica de instalação do sistema de proteção sugerido na Consulta Pública
Foto: Reprodução/Arsp

O Governo do Estado vai analisar uma nova opção de barreira de proteção contra suicídio na Terceira Ponte, entre Vitória e Vila Velha. A proposta veio de um escritório de arquitetura de Vitória durante o período de consulta pública aberta pela Agência de Regulação de Serviços Públicos do Espírito Santo (Arsp-ES). Com um design diferente do primeiro modelo divulgado pela própria agência, a proposta é de colocar o sistema de proteção nas laterais da ponte, preservando a vista do Convento da Penha e da Baía de Vitória para quem trafega pela ponte.

A consulta pública foi aberta pela agência para mudanças no projeto que foi apresentado em setembro, depois da ponte ficar fechada por mais de 8 horas por causa de uma operação que resgatou um homem que tentava se matar. No projeto anunciado no mês passado, havia a implementação de cabos de aço inoxidáveis na posição vertical, não inclinado, com altura de 2 metros, colocados em cima da mureta da ponte. Ele foi feito por uma empresa contratada pela Rodosol, concessionária que administra a ponte, e tem um custo de R$ 15 milhões se for colocado em prática. Os custos seriam de responsabilidade do Governo do Estado pois esse valor não está previsto no contrato de concessão.

NOVA ESTRUTURA

Já o escritório de arquitetura, na nova proposta, indica colocar a estrutura nas laterais, com uma espécie de tela metálica posicionada embaixo da mureta, como se fosse uma "gaiola". A lateral seria composta de ripado metálico com 10cm de largura e espaçados de 15 em 15cm. Se alguém cair nesse espaço, só conseguiria sair com a ajuda do resgate e, da mesma forma, a estrutura não seria vista por quem estivesse passando de carro na Terceira Ponte.

O diretor-geral da Arsp, Júlio Casteglione, explicou que o Governo do Estado deve tomar uma decisão de qual projeto escolher até o final de novembro, mas afirmou que considera a nova sugestão melhor do ponto de vista estético.

"Preserva a qualidade funcional, ou seja, funciona e preserva a vida das pessoas ali, mas tem um incremento estético evidente. Fica mais bonito. O compromisso da agência com a sociedade capixaba é, além de trabalhar o primeiro projeto já selecionado, a gente avançar nos estudos e se. dessa forma, a Terceira Ponte poderia receber essa estrutura" comentou.

Nathan Guimarães e Clara Nahas são sócios do escritório que elaborou a proposta de proteção contra suicídio na Terceira Ponte
Nathan Guimarães e Clara Nahas são sócios do escritório que elaborou a proposta de proteção contra suicídio na Terceira Ponte
Foto: Caíque Verli

A proposta foi baseada no sistema de segurança da segunda ponte onde mais ocorre suicídios no mundo, a Golden Gate, de San Francisco (EUA). Na Terceira Ponte, a altura entre a mureta e a base da tela abaixo dela é de 3 m. A distância entre a ponte e a outra ponta da estrutura seria de 2,30m, como explica a Clara Nahas, uma das arquitetas sócias do escritório. "O que a gente desenhou foi uma estrutura que estivesse a uma distância que a pessoa não conseguisse pular e vazar da estrutura. Se ela cair ali ela será resgatada sem problemas de mobilidade urbana", comenta Clara, sócia do escritório Angatu. Nathan Guimarães, Juliano Pinto e Rovena Daher são os outros profissionais que trabalharam na concepção da proposta.

AVALIAÇÃO

Primeiro modelo da barreira de proteção proposta para ser colocada na Terceira Ponte
Primeiro modelo da barreira de proteção proposta para ser colocada na Terceira Ponte
Foto: Carlos Alberto Silva

Na próxima segunda-feira (15), a Arsp encaminhará ao Departamento de Estradas e Rodagens do Espírito Santo (DER-ES) o projeto de engenharia relativo à solução pré-selecionada para que a autarquia possa aperfeiçoar o projeto em seus aspectos técnicos.

Até o final do mês de novembro, o Governo do Estado decidirá por licitar a opção com barras verticais ou a opção resultante da Consulta Pública, com estrutura lateral rebaixada.

Em todo caso, a licitação deverá ocorrer ainda no ano de 2018. Caso opte pela estrutura lateral rebaixada, ainda não é possível afirmar os custos e nem quando ficará pronta.

OUTRAS PROPOSTAS

Durante a consulta pública, a Arsp recebeu 39 sugestões. Além da selecionada, outros dois tipos chamaram a atenção: um com cerca elétrica e outro com instalação de ciclovias.

Os dois foram descartados, o primeiro risco à saúde e o segundo por impedimentos técnicos, uma vez que a Ponte possui forte influência de ventos laterais, além de inclinação de 5.5% com extensão de mais de 1km no sentido Vitória, o que exigiria muito esforço físico para os ciclistas.

Uma outra sugestão também indicou a construção de um monotrilho, além da barra de proteção. Esse projeto foi encaminhado para a análise das secretarias responsáveis pela mobilidade urbana.

Ver comentários