Notícia

"Baywatch" chega aos cinemas com comédia e cenas de ação

Inspirado na série homônima que fez sucesso na década de 1990, filme tem Zac Efron e Dwayne Johnson no elenco

Elenco de "Baywatch": filme tem piadas fracas
Elenco de "Baywatch": filme tem piadas fracas
Foto: Divulgação

Filmes que acabam virando série de televisão no futuro já é algo comum para os espectadores. Temos aí como exemplo seriados como “Hannibal”, “Bates Motel”, “Nikita”, “Fargo” e “Um Drink no Inferno”, só para citar alguns. O caminho contrário também acontece, porém é mais raro – séries como “Anjos da Lei” e “Miami Vice”, por exemplo, fizeram sucesso na TV e, anos depois, ganharam as telonas.

É justamente nesse caminho mais incomum que “Baywatch” se vê inserido. O filme, que estreia hoje nos cinemas do Estado, é inspirado na antiga série “Baywatch: S.O.S Malibu”, exibida entre 1989 e 2001 e que fez enorme sucesso na TV – mais pelos corpos sarados e beleza dos atores do que pela história em si. Dirigido por Seth Gordon (“Quero Matar Meu Chefe”), o longa se distancia um pouco do seriado em um ponto: enquanto na TV o foco era mais dramático, no cinema a comédia é o principal combustível. Mas duas característica se mantêm: os tais corpos sarados e cenas de ação. Há de se concordar que não daria para fugir disso.

Trama

Na história, Mitch Buchannon (Dwayne Johnson, o The Rock) lidera o time de salva-vidas Baywatch, que trabalha protegendo os banhistas em Emerald Bay, na Flórida. Mitch tem um desafio inicial: reerguer sua equipe, que sofre com o corte de gastos vindo do governo. Paralelamente, o salva-vidas recebe um reforço no time: Matt Brody (Zac Efron), ex-nadador e medalhista que resolve se aventurar numa nova profissão, com quem o chefe acaba se desentendendo um pouco no início. Vale citar aqui que Efron não é um ator ruim, mas sua escolha para personagens como Matt Brody não lhe ajudam a evoluir.

A relação entre o veterano e o novato melhora quando os dois passam a trabalhar juntos na investigação de uma conspiração criminosa que envolve tráfico de drogas e corrupção na baía onde trabalham e que pode prejudicar quem vive por lá. É nesse arco narrativo que a maioria das cenas de ação – cheias de exagero – se encontra. Enquanto na série o foco eram os dramas pessoais dos personagens atrelados a eventos como afogamentos e até mesmo ataques de tubarão – que sustentavam a narrativa episódio após episódio –, no filme temos os salva-vidas “brincando” de detetives.

Ainda completam o elenco Alexandra Daddario (Summer), Kelly Rohrbach (CJ Parker, personagem que pertencia a Pamela Anderson no seriado), Jon Bass (Ronnie), Ilfenesh Hadera (Stephanie Holden) e Priyanka Chopra (a vilã Victoria Leeds). Pamela Anderson e David Hasselhoff (o Mitch Buchannon original) ainda fazem uma participação especial no longa, em uma espécie de homenagem ao seriado.

Críticas

Apesar de chegar hoje aos cinemas brasileiros, “Baywatch” já estreou nos Estados Unidos no final de maio e, por lá, as críticas não têm sido muito boas. Também pudera: a ideia é bacana, mas o filme traz uma comédia sustentada em piadas fracas e cenas de ação que não enganam ninguém. O personagem de Zac Efron é caricato, enquanto Dwayne Johnson até salva pelo carisma.

Mas como o próprio The Rock rebateu: “As pessoas só querem rir e se divertir”. Se esse é o único objetivo, talvez até valha uma ida ao cinema para ver “Baywatch”.

Ver comentários