Notícia

Do banco, Ranieri tem sido uma arma do Santão em momentos decisivos

Ranieri consegue desempenhar tanto papel defensivo, quando atua de volante ou zagueiro, e também apoio ofensivo, quando entra na ala-direita

Pouco a pouco, o técnico Cleiton Marcelino consegue impor seu estilo ofensivo no modo de jogo do ESFC. A postura passou por processo de amadurecimento no primeiro confronto contra a Caldense, no Kleber Andrade, em que mesmo com o placar adverso, o Santão conseguiu criar boas oportunidades de gol, e ficou evidente na vitória da equipe no segundo confronto diante da equipe mineira, fora de casa, no sábado (10). Mesmo com o placar já definido em 2 a 0, o ESFC manteve o ritmo ofensivo, sem esquecer da cobertura na marcação, ponto também muito cobrado pelo comandante.

Ranieri, jogador do Espírito Santo FC
Ranieri, jogador do Espírito Santo FC
Foto: João Brito/ESFC

Para ter essa segurança também no setor defensivo, Cleiton Marcelino precisa contar com jogadores que apresentem mobilidade, para que consigam ser flexíveis em seu esquema. Nessas horas que aparecem atletas como o Ranieri, que consegue desempenhar tanto papel defensivo, quando atua de volante ou zagueiro, e também apoio ofensivo, quando entra na ala-direita. Na última partida, o técnico Cleiton Marcelino utilizou esse trunfo, e a entrega de Ranieri Do bancocontribuiu para assegurar o bom resultado para o Santão.

Ranieri comemorou o fato de ter o aval do técnico Cleiton Marcelino para variar entre posições, e também agradeceu a confiança depositada em seu trabalho. Segundo o volante, essa flexibilidade nos espaços do campo o acompanha desde o seu início de carreira, ainda criança, quando era treinador pelo seu tio, na Paraíba. Além de volante e lateral, Ranieri também já foi utilizado no ESFC como zagueiro.

"Agradeço a confiança do técnico em meu trabalho. Procuro sempre prestar atenção naquilo que o treinador pede, então tenho buscado sempre o que ele quer, seja na marcação e também no apoio ofensivo. Desde que eu comecei, sendo orientado pelo pelo meu tio, buscava variar entre várias funções, seja de volante, lateral, ou até zagueiro, como já fiz algumas vezes, com outros técnicos. O Cleiton me dá essa liberdade, tem essa confiança em mim, e eu procuro sempre dar o meu melhor, independente da posição.

Estar no banco não incomoda Ranieri. O volante, mesmo apenas entre os suplentes, entra na maioria das partidas, justamente por essa flexibilidade. Com Cleiton Marcelino, Ranieri foi utilizado em duas das três partidas disputadas.

"Sempre que ele precisar eu estarei à disposição. Isso (estar no banco) para mim não diz nada. Minha motivação, minha força e minha garra vai continuar a mesma. O que sempre procuro fazer é me preparar da melhor forma possível, para estar bem em qualquer que seja a oportunidade."

Neste sábado (17) o ESFC recebe o Boavista, às 16h30, no estádio Kelber Andrade, pela quinta rodada da primeira fase da Série D.

 

Ver comentários