Notícia

Após vencer doença que a deixou em cadeira de rodas, atleta pede apoio

Ewelin Braga teve um problema no fêmur durante a adolescência e pensou que não conseguiria mais andar

Ela tem dedicado quase metade do seu dia às lutas. Seja no judô, kickboxing ou jiu-jitsu - modalidade em que é campeã Pan-Americana pela Confederação Brasileira de Lutas Profissionais - a capixaba Ewelin Braga, de 22 anos, não poupa tempo nem esforços quando o assunto é estar em cima do tatame. Desde que entrou para o mundo esportivo, ela tem se destacado pela habilidade técnica e tem recebido reconhecimento de atletas do Estado como Erick Silva e Nacif Elias.

Evelin Braga, lutadora capixaba de jiu-jitsu
Evelin Braga, lutadora capixaba de jiu-jitsu
Foto: Marcelo Prest

Assim, porém, como a maioria dos atletas, Ewelin sofre com a falta de apoio financeiro. Desempregada, ela consegue treinar porque recebe bolsa da academia, mas falta verba para custear inscrições e viagens para manter se competindo e tendo reconhecimento no cenário nacional.

Moradora da Serra, a lutadora sai no horário do almoço de casa e só chega por volta das 22h. Sem emprego, tem contato com a ajuda de amigos, familiares e agora dos internautas, para não deixar seu sonho de seguir no esporte terminar.

Evelin Braga, lutadora capixaba de jiu-jitsu
Evelin Braga, lutadora capixaba de jiu-jitsu
Foto: Marcelo Prest

“Eu amo a luta, mas realmente é muito difícil a gente se manter bem, competindo e pontuando no raking se não tiver um apoio. É tudo muito caro. Uma inscrição para um campeonato, por exemplo, não sai por menos de 120 reais. E tenho que competir pelo menos uma vez no mês, para me manter em bom nível. Por isso criamos esse canal na internet para arrecadar dinheiro”, comentou a atleta.

O endereço para ajudar a custear as despesas com os próximos campeonatos é o https://www.catarse.me/ewelincampea#about . Lá o contribuinte pode ajudar com diversos valores, que começam a partir de R$10. Há também um espaço para patrocinadores que queiram ajudar a atleta estampando a sua marca no uniforme de competição.

“É muito importante a ajuda de todo mundo, para que eu consiga trazer muita alegria para o esporte do nosso Estado.”

Treinador de Ewelin fala sobre "as forças" da atletas

Quando ainda adolescente, Ewelin sofreu de uma doença no femur que a deixou sem o movimento das pernas. Ela chegou a ficar na cadeira de rodas um tempo. Hoje ele convive com dois parafusos no local, mas garante que não sente dor quando pratica as lutas.

Além da força de vontade da atleta, que superou a doença e a dificuldade financeira, o treinador de Ewelin, Fred Zaganelli, destaca também sua outra força.

“A Ewelin tem uma força física muito grande, tanto que não temos mais atletas para treinar com ela. Gostaria muito que ela fizesse uma luta com a Fernanda, que é atleta faixa preta aqui do Estado, para vermos como ele sairia. Tenho muito curiosidade disso”, disse o treinador que apesar de mencionar o lado forte de sua aluna, ele ressalta o lado carinhoso também da lutadora.

“Quem vê a Ewelin em uma luta não imagina o quão doce e carinhosa ela é. É uma menina muito querida por todos e que se dedica muito ao que faz. É um talento que precisa de apoio para ir mais longe. A gente fica na torcida por isso”.