Notícia

Sumidouro do Funil: rio do ES 'desaparece' sob emaranhado de pedras

Prefeitura de Santa Leopoldina e guia de turismo revelam que Dom Pedro II visitou o local e se encantou com o fenômeno que não tinha explicação na época

Há 157 anos, até Dom Pedro II ficou intrigado com um trecho do Rio Santa Maria, um dos principais mananciais do Espírito Santo, em que pedras se sobrepõem sob a passagem da água. O fenômeno, que fica em uma localidade de Santa Leopoldina, na região Serrana do Estado, se estende por aproximadamente 100 metros, e o monarca chegou a registrar sua visita ao local em um diário, escrevendo que estava "encantado" com esse verdadeiro show da natureza.

Apesar dos anos, o lugar mantém a magia e foi tombado pelo Conselho Estadual de Cultura. O chamado Sumidouro do Funil é pouco conhecido, como destaca o guia de turismo Jefferson Rodrigues, de 32 anos. Ele, que assina o blog TripES do Gazeta Online, frisa que antigamente com um fluxo maior de água, entre as pedras, era possível ver redemoinhos. 

"Agora não vemos mais nada, mas o lugar não perdeu o encanto, e pouquíssima gente conhece. Até quem mora na cidade às vezes já ouviu falar, mas nunca visitou", comenta.

Segundo ele, no local há um espaço em que é possível estacionar, e a visitação é livre. "Por ser patrimônio histórico-cultural há apenas questões ligadas a preservação que são cobradas, mas qualquer um pode ir até lá", finaliza. 

Há 157 anos

A Prefeitura de Santa Leopoldina detalha que foi em 1860, há 157 anos, o ano em que Dom Pedro II visitou o local, registrou em seu diário, mas também frisou que não teve explicação para o fato. O atrativo, de acordo com o órgão, foi tombado pelo Conselho Estadual de Cultura, conforme consta no Processo Nº 73/90 – CEC/ES.

Segundo a Prefeitura, saindo da cidade, seguindo pela Rodovia Estadual Afonso Schwab (ES-264), a aproximadamente dois quilômetros da Sede, há a chamada ponte do Funil, sob o Rio Santa Maria. "No local, as águas do rio desaparecem sob um emaranhado de rochas, surgindo aproximadamente 200 metros abaixo. O atrativo pode ser visto com facilidade porque a ponte fica exatamente em cima do leito seco e pode ser visto tanto acima quanto abaixo da ponte", esclarece o órgão.

Veja registro de Jefferson, feito no último sábado (8):