Notícia

Transexual 'crucificada' promete novo protesto polêmico na Parada Gay

Viviany Beleboni ganhou notoriedade ao desfilar pendurada em uma cruz em 2015

Viviany Beleboni fez ensaio fotográfico com a fantasia que vai usar na Parada Gay 2017
Viviany Beleboni fez ensaio fotográfico com a fantasia que vai usar na Parada Gay 2017
Foto: Marcio Desideri | Divulgação

A atriz e modelo Viviany Beleboni, de 28 anos, vai desfilar neste domingo (18) na 21ª edição da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo vestida de militar em plena Avenida Paulista. Depois de aparecer “crucificada”, em 2015, e de representar a bíblia, em 2016, a jovem vai criticar o fundamentalismo religioso, o conservadorismo mundial e a falta de espaço para pessoas transexuais no Exército.

“Temos que aprender a votar antes que a extrema direita avance e tire nossos direitos. Esse movimento é muito grande, a parada LGBT é muito mais do que o desfile de domingo. Nós estamos em todos os lugares", disse Viviany.

> Mulher leiloa aliança em site após ex-noivo virar gay

Com o tema "Independente de nossas crenças, nenhuma religião é lei. Todos e todas por um estado laico", a Parada Gay acontece de 12h às 18h deste domingo (18), no Centro da capital, e vai contar com a participação de Anitta, Daniela Mercury, Naiara Azevedo, entre outros artistas.

Além da roupa militar, Viviany vai segurar uma bazuca e três cartazes com críticas ao presidente americano Donald Trump; o russo Vladimir Putin e ao Brasil. Em sua performance, ela afirma que vai mirar sua arma em cada um dos elementos e ao atirar, sairá um buquê de rosas brancas que simbolizam um pedido de paz e união.

Foto: Marcio Desideri | Divulgação

A escolha da roupa foi motivada por muitas questões, segundo a atriz. É uma crítica às torturas que pessoas LGBT têm sofrido na Chechênia, ao fundamentalismo religioso e à falta de espaço que pessoas transexuais têm no exército. “Eu sempre pesquiso a situação política, o que está acontecendo no mundo, para saber o eu acho construtivo para a sociedade discutir.”

> Igreja batiza três filhos de casal gay em Catedral de Curitiba

Outra preocupação de Viviany são as eleições presidenciais que acontecem no Brasil em 2018. Ela pretende usar o debate gerado pela Parada Gay para que seja eleito um candidato que represente as pautas LGBT.

“A comunidade LGBT tem muitas nuances. Eu costumo falar que nós saímos do armário duas vezes: uma quando a gente se assume para a sociedade e família e outra quando a gente entende que somos iguais apesar de sermos diversos, independente se você é trans, bi ou homossexual”, explica a atriz.

"Tem pessoas que não se assumem, porque têm medo de perder o emprego, de não ser aceitos em suas famílias, porque têm vergonha. Parece que a gente tem que se esconder e se enquadrar dentro de um padrão. Quando você se assume sua beleza e seu talento parece que para de valer.”

REPERCUSSÃO

Com escolhas polêmicas para os desfiles da Parada, Viviany afirma que não tem problemas com a repercussão de suas performances.

“Eu trago assuntos que precisam ser discutidos pela sociedade. É importante nesse dia os assuntos terem visibilidade. Eu, como artista, não quero aparecer por aparecer. A polêmica é a recepção de cada pessoa. Se gerar polêmica é discutir assuntos que precisam ser debatidos, então eu vou gerar polêmica.”

Neste ano, o evento terá artistas como Anitta, Daniela Mercury e Naiara Azevedo, o que promete atrair um grande público para a Avenida Paulista. Isso, no entanto, não agradou Viviany. "Quanto mais politizada a Parada for, a resposta vai ser melhor. Artistas conhecidos acabam tirando o foco da Parada, porque as pessoas acabam indo pelos shows e o tema discutido não é falado. Isso é uma Parada por direitos e não um carnaval fora de época."

Para Viviany, os direitos e pautas LGBT devem ser discutidas o ano todo. "Eu quero despertar e debater justamente isso para que o Brasil não vire uma Rússia. A gente não tem que pensar só na semana LGBT, a gente precisa se politizar antes que isso se torne um país ainda mais conservador."

21ª EDIÇÃO DA PARADA LGBT

A estimativa da administração municipal é de que cerca de 3 milhões de pessoas passem pelo evento, que vai percorrer a Avenida Paulista, seguir pela Rua da Consolação e terminar com um show no Vale do Anhangabaú. A expectativa de público foi dada pelo prefeito João Doria (PSDB), com ressalva: "se o tempo estiver bom". Na Virada Cultural, o prefeito culpou São Pedro pelo baixo número de espectadores.

Ao todo, 19 trios elétricos vão integrar a festa, patrocinados por instituições e empresas parceiras. A Prefeitura, por sua vez, vai investir aproximadamente R$ 1,5 milhão na infraestrutura do evento - a quantia é a mesma disponibilizada para a edição do ano passado, segundo a gestão Doria.

Anitta e Naiara Azevedo vão se apresentar no trio patrocinado por uma empresa de transporte individual de passageiros. Junto com elas, na festa batizada de Chá da Alice, estarão Márcia Freire, ex-vocalista da banda Cheiro de Amor, e a cantora amazonense Lorena Simpson.