Notícia

Transgênero é internado em coma após ataque homofóbico no Rio

Vítima foi severamente agredida em 2 de agosto, mas a família só conseguiu encontrá-la quase uma semana depois

Hestefânia Brandão de Carvalho, transgênero masculino, é internado em coma após ataque homofóbico no Rio
Hestefânia Brandão de Carvalho, transgênero masculino, é internado em coma após ataque homofóbico no Rio
Foto: TV Globo

A polícia investiga mais um crime de homofobia no Rio. Carla Hestefânia Brandão de Carvalho, transgênero masculino, foi covardemente agredido no início do mês. Conforme mostrou o RJTV, a família só descobriu dias depois.

Carla deu entrada no hospital em estado grave no dia 2 de agosto. Mas a irmã só descobriu o que tinha acontecido quase uma semana depois.

“Ele foi encontrado caído em uma poça de sangue com convulsões devido a um traumatismo craniano. Precisou ser reanimado por uma equipe do Corpo de Bombeiros. Já chegou aqui [no hospital] em coma e foi direcionado a UTI”, contou Helen Santos, irmã da vítima.

Helen contou que Carla nasceu mulher, mas se reconhece como homem. É um transgênero masculino que já tinha sido vítima de várias outras situações de preconceito e violência pela vizinhança, o que o fez mudar de casa.

> Pais evangélicos contam como apoiaram a transição de gênero da filha

“Houve outras agressões. Eram coisas ditas como, por exemplo, ‘seu lugar não é aqui’, ‘você é homem e vai apanhar como homem’... Todos os ataques que eram sofridos ele tentava mudar de local para evitar novos confrontos”, destacou Helen.

A Secretaria Estadual de Direito Humanos recebeu no primeiro trimestre deste ano uma denúncia a cada dois dias de alguém que foi vítima de agressão física ou psicológica por conta da orientação sexual ou de gênero.

Mas estes registros ainda estão longe de representar a realidade. Isso porque o crime de homofobia não é reconhecido por lei, o que dificulta um levantamento das estatísticas e a punição aos agressores.

> Menina trans de 12 anos ganha na Justiça direito de parar a puberdade

Até para fazer o boletim de ocorrência da grave agressão sofrida pelo irmão, Helen teve que pedir a ajuda de um advogado. “É uma dificuldade geral que existe para um cidadão registrar qualquer tipo de ocorrência no Rio de Janeiro, em especial qualquer coisa que esteja relacionada à homofobia. Hoje ela [a homofobia] é tipificada como uma lesão corporal qualquer”, disse o advogado Marcel de Freitas Nascimento.

O superintendente do programa Rio sem Homofobia, Fabiano Abreu, reforça a necessidade de mudança na lei. “Hoje o crime de LGBTfobia tem crescido muito, não só no estado do Rio de Janeiro como em todo o Brasil. O que precisa, na realidade, é uma lei que possa realmente criminalizar. Nós estamos avançando um pouco mais porque passaremos a ter, dentro de dois meses, uma delegacia que vai atender todos os crimes de minorias, ditos minorias, né, porque na verdade não são minorias, de intolerância, de LGBTFobia. Então, isso vai ajudar um pouco mais”, disse ,

> Mãe quer certidão de nascimento para bebê sem identificação de gênero

“Qualquer pessoa que sofra um ataque de gênero, seja ela verbal, ameaças, ou físico, vá denunciar, porque meu irmão não fez isso e os ataques ficaram cada vez mais agressivos. Isso não pode continuar”, enfatizou Helen.

Ver comentários