Notícia

Peixes no Rio Doce apresentam contaminação até 140 vezes acima do limite

Camarão também é afetado por metais tóxicos, segundo estudo

Pescador ignora perigos e joga tarrafa para pegar peixe na Foz do Rio Doce
Pescador ignora perigos e joga tarrafa para pegar peixe na Foz do Rio Doce
Foto: Hauley Valim

A contaminação por metais de alguns peixes do Rio Doce ultrapassa os limites permitidos por legislação em até 140 vezes. Este, por exemplo, é o nível de arsênio encontrado no peixe roncador, quando o máximo tolerado seria 1. É o que aponta o primeiro laudo produzido pelo ICMBio sobre pescados e mariscos da região, a que o jornal A GAZETA teve acesso, com exclusividade.

O relatório foi apresentado à direção de vários órgãos públicos – como Iema, Tamar, Ibama e o próprio ICMBio – e a pesquisadores em seminário realizado entre os dias 15 e 16 deste mês. Mas ainda não foi divulgado à população por nenhum deles.

O laudo faz parte de um conjunto de estudos que vem sendo desenvolvidos no Rio Doce após o desastre ambiental causado pelo rompimento de uma barragem da Samarco, na cidade mineira de Mariana. São executados por professores de várias universidades e vários órgãos públicos ligados a área ambiental. Há expectativa de que o relatório dos pescados e outros sejam divulgados esta semana pelo Ministério do Meio Ambiente.

Excessos

As conclusões do documento produzido pelo ICMBio não deixam dúvidas: “Há contaminação da água com metais acima dos limites permitidos pela Resolução 357, do Conama”. E mais: “Há contaminação de pescados (peixes e camarões) acima dos limites permitidos pela Resolução 42, da Anvisa”.

Diz ainda que a contaminação atingiu as unidades de conservação e de preservação ambiental no entorno da região: o Arquipélago de Abrolhos, a Costa das Algas e o Refúgio de Vida Silvestre de Santa Cruz. Em todas elas houve pontos de coleta de amostras para o estudo, assim como na Foz do Rio Doce – Norte e Sul – e na região de Barra Nova.

Em Governador Valadares, morador observa peixes mortos com chegada da lama, logo após o desastre
Em Governador Valadares, morador observa peixes mortos com chegada da lama, logo após o desastre
Foto: Arquivo

Além do arsênio, o roncador citado no início da matéria também está contaminado por cádmio (12 vezes acima do limite) e chumbo (5 vezes a mais do que o permitido).

Não é diferente com o camarão, outro recordista: chega a ter 88 vezes o limite de arsênio (que é de 1) - mas foram encontradas espécies superando o limite em 115 vezes -, além de 5 vezes mais cádmio e 5 vezes mais chumbo do que a legislação estabelece.

E o que dizer do peroá, tão popular em nosso Estado, que supera os limites de arsênio em 34 vezes e tem quase 3 vezes mais cádmio do que o permitido. É acompanhado de perto pelo linguado, que ultrapassa os limites de arsênio em 43 vezes, 9 vezes o de cádmio e 6 vezes o de chumbo.

Também é complicada a situação da água na região. Os resultados apontam contaminação por chumbo total quase 10 vezes superior ao limite do Conama (que é de 10). Também foi superado em 9 vezes o nível de cobre dissolvido (que é 5) e duas vezes o de cádmio total (5).

Ainda estamos recebendo informações de várias fontes para produzir um relatório mais conclusivo”
João Carlos Thomé, coordenador do Tamar e representante do ICMBio

Reações

Segundo João Carlos Thomé, o Joca, coordenador do Tamar e representante do ICMBio junto às universidades e demais órgãos, o estudo a que A GAZETA teve acesso foi desenvolvido pelo professor Adalto Bianchini, da Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

É uma prévia, diz Thomé, de um relatório que trará mais detalhes sobre a situação. “O Bianchini possui o melhor laboratório de ecotoxicologia do país e ficou encarregado de analisar a situação dos pescados e mariscos da região”, explicou.

Joca observa que é exatamente pelos dados levantados pelo estudo que a pesca está proibida na Foz do Rio Doce entre Barra do Riacho, Aracruz, até Degredo/Ipiranguinha, em Linhares. A decisão partiu da Justiça Federal, no final do mês passado, por tempo indeterminado.

Os poucos detalhes já divulgados são considerados extremamente preocupantes, como destaca o consultor ambiental Marco Bravo. “É uma contaminação muito grave, por metais que vão se acumulando no organismo destas espécies e que não são eliminados. E vão comprometer a saúde. É um risco para a comunidade. Não há dúvidas”, diz.

Além da saúde, destaca Bravo, também a economia da região será afetada por tempo indeterminado. O estudo também aponta níveis de contaminação altos na área de Barra Nova, onde é forte o sistema pesqueiro.

Desktop

Ver comentários