Notícia

Creche na Serra é alvo de bandidos pela sétima vez

Cenário de destruição se tornou recorrente no Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Edson Vargas Barbosa

Portas e janelas arrombadas, alimentos espalhados pelo chão da cozinha, materiais rasgados, objetos quebrados. A cena, infelizmente, já se tornou recorrente em uma creche na Serra.  Pela sétima vez, o Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI) Edson Vargas Barbosa, no bairro Nova Carapina II, foi alvo de bandidos. O último ataque aconteceu durante o feriado de Corpus Christi e deixou um rastro de destruição na unidade, que não abriu as portas para os alunos nessa segunda-feira (19).

No começo desse mês, uma professora foi assaltada e teve o carro roubado por bandidos dentro da creche. Antes disso, o CMEI havia sido invadido outras cinco vezes. Para Juverci Fonseca Bitencourt, professor de artes na unidade, o ataque sofrido nesse feriado foi o pior já enfrentado pela comunidade escolar da região. Se nas invasões anteriores os bandidos contentaram-se apenas em fazer vandalismo, dessa vez "eles levaram tudo que puderam".

"Nos últimos tempos, por conta dessas invasões, o diretor estava levando a chave da escola para casa, mas não adiantou nada. Dessa vez destruíram a porta, quebraram muitos vidros das janelas, roubaram os únicos dois computadores da escola, destruíram o ar condicionado e fizeram uma zona na cozinha. Comeram algumas coisas e coaram até café. Os armários estavam todos jogados no chão, o material dos professores destruído. Entraram pelo mesmo terreno baldio de sempre. Terreno que, segundo as informações que nós temos, pertence à prefeitura", contou o professor.

> Professora tem carro roubado por bandidos dentro de creche na Serra

> CMEI na Serra é invadido e vandalizado pela quinta vez só esse ano

A constante violência no local tem deixado professores e pais preocupados. Depois do assalto à mão armada, ocorrido no começo do mês, o CMEI passou a contar com segurança patrimonial nos dias letivos durante o dia. No entanto, a creche segue sem vigilância durante a noite e aos finais de semana e feriados. Receosos em manter as atividades no local, uma comissão formada por associação de moradores e comunidade acadêmica definiu que as aulas no CMEI não retornarão enquanto os problemas não foram resolvidos.

"Não teremos aula hoje e também não tem data para CMEI voltar a abrir. Montamos uma comissão com pais, professores e moradores e definimos que, enquanto esses problemas da segurança não forem minimamente resolvidos, não vamos retornar com as aulas. Amanhã (terça) pela manhã, mesmo sem horário marcado, vamos até a Secretaria de Educação cobrar providências", afirma Bitencourt.