Notícia

Centro de Vitória tem 16 prédios abandonados ou pouco utilizados

Número se refere a estruturas que são de responsabilidade da prefeitura da Capital

O Mercado da Capixaba é um dos prédios que precisam ser reformados
O Mercado da Capixaba é um dos prédios que precisam ser reformados
Foto: TV Gazeta

Vitória tem 16 prédios públicos de responsabilidade da prefeitura que estão sem utilidade ou parcialmente ocupados. Essa realidade contribui para um cenário de aparente descaso, principalmente no Centro da cidade, onde está a maior parte desses imóveis.

O Centro Cultural Carmélia é um desses prédios. Ele está com uma parte ocupada, com a TV Educativa funcionando nos fundos, mas a parte da frente está sem aproveitamento e o mato toma conta do local.

Outro espaço é o Mercado da Capixaba, que está precisando de reforma. Lojas estão fechadas e cheias de entulhos, mas algumas ainda funcionam, mesmo com as mercadorias em meio ao mofo. “A gente fica parado o dia inteiro, porque cliente mesmo não tem”, disse o comerciante Alcimar Silva Barreto.

O Mercado da Capixaba é um dos prédios que precisam  ser reformados
O Mercado da Capixaba é um dos prédios que precisam ser reformados
Foto: Edson Chagas

A secretária de Desenvolvimento de Vitória, Lenise Loureiro, explicou que haverá reforma, mas não deu prazos. “Para prédios como esse, nós já temos projeto pronto e recurso em vista para fazer uma reforma, pra dar ocupação e dinamizar a cidade pelo aspecto do turismo, do entretenimento e da vocação de visitação na cidade”, disse.

MAIS PRÉDIOS

Leia também

Outro prédio sem uso é o que já deu espaço para a Escola São Vicente de Paulo, na Cidade Alta, que também pertence à prefeitura. Ele deve ser reformado no ano que vem, segundo a administração municipal, para virar um anexo da escola de teatro Fafi.

Ainda na Cidade Alta, o imóvel que abrigou os gabinetes dos deputados tem sinais de uma obra que começou em 2014, mas não continuou. Ele foi da União, depois do governo do estado e agora pertence à prefeitura, mas a previsão é de que ele seja da Justiça futuramente. Por enquanto está trancado, tem segurança, mas nenhuma utilidade.

“Isso motiva até as próprias ocupações que acontecem no Centro. Eles deveriam estar observando isso e utilizando para alguma coisa”, opinou o professor João Bispo.

PDU

A prefeitura diz que o novo Plano Diretor Urbano (PDU) deve estimular a ocupação dos imóveis públicos e particulares. “Ele facilita o imóvel privado a se regularizar, por exemplo, ele sendo comercial passar para residencial, e também de residencial para comercial, com muita flexibilidade para que possa haver uma ocupação”, disse Lenise.

A reportagem questionou a prefeitura sobre quantos prédios estão abandonados na capital. Além dos imóveis da prefeitura nessa situação, há também do Estado, da União e também particulares. A Secretaria de Desenvolvimento disse que seria preciso fazer um levantamento e que ainda não tem esse número.