Notícia

Incêndio florestal deixa dezenas de mortos e feridos em Portugal

Pelo menos 30 vítimas morreram carbonizadas dentro de seus carros em uma estrada tomada pelo fogo

O incêndio florestal que atinge Pedrógão Grande, na região de Leiria, no centro de Portugal, já dura mais de 24 horas. No último balanço divulgado na manhã deste domingo (18), 61 pessoas morreram e 54 ficaram feridas, de acordo com a mídia portuguesa. O incêndio já é considerado uma das maiores tragédias dos últimos 50 anos no país.

As autoridades chegaram a dizer que 62 tinham morrido e 59 tinham ficado feridos, mas recuaram. A expectativa é de um aumento nesse balanço nas próximas horas. A hipótese de incêndio criminoso foi descartada e as equipes de resgate, com cerca de 1,6 mil integrantes, estão mobilizadas. 

O número de vítimas tem sido atualizado pelo secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes. Autoridades já afastaram a hipótese de incêndio criminoso. "Tudo aponta muito claramente para que sejam causas naturais", afirmou Almeida Rodrigues, diretor nacional da Polícia Judiciária do país.

São quatro frente de fogo ativas na região, que fica próxima a Coimbra e entre as duas maiores cidades portuguesas: Lisboa e Porto.

Lisboa, Santarém, Setúbal e Bragança estão sob aviso vermelho até às 21h, segundo o o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA). O resto do país está sob aviso laranja, exceto o distrito de Faro.

O aviso vermelho indica situação meteorológica de risco extremo, segundo o jornal Público, enquanto o laranja, o segundo mais grave em uma escala de quatro, aponta para um risco entre moderado a elevado.

Inicialmente, as autoridades disseram que 19 pessoas tinham morrido: 3 pessoas por inalação de fumaça e 16 carbonizadas dentro de seus carros, quando o fogo invadiu a estrada entre Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pêra, segundo o secretário do Interior.

O incêndio começou por volta das 15h de sábado (horário local, 11h em Brasília). Quase 700 bombeiros e mais de 200 veículos trabalham no combate ao fogo, que ainda não foi controlado. Centenas de pessoas tiveram que deixar suas casas.

O sábado foi de forte calor no país, com temperaturas que superaram os 40 graus em várias regiões. Após ter registrado poucos incêndios florestais em 2014 e 2015, Portugal foi duramente atingido no ano passado, com mais de 100 mil hectares de florestas devastadas em seu território continental.

"Enfrentamos uma terrível tragédia. Até o momento, há 24 mortes confirmadas e o número de óbitos ainda pode aumentar", afirmou no sábado o primeiro-ministro português, Antônio Costa, antes do aumento no número de mortes ser confirmado. "Lamentavelmente, é sem dúvida a maior tragédia dos últimos anos em relação a incêndios florestais".

O primeiro-ministro disse que, no momento, "a prioridade é combater o incêndio que permanece e entender o que ocorreu". Segundo o secretário de Estado de Administração Interna do Governo, João Gomes, "as chamas se propagaram de um jeito sem explicação".

O presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, viajou à zona atingida para prestar suas condolências às famílias das vítimas e "compartilha sua dor, em nome de todos os portugueses", segundo o governo.

Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, expressou neste domingo pesar pela morte de pessoas em Pedrógão Grande e anunciou a ativação do Mecanismo Europeu de Proteção Civil. A Comissão Europeia afirmou que "A União Europeia está pronta para ajudar" e "tudo será feito para ajudar as autoridades portuguesas, caso seja necessário”.