Notícia

Aluna é cortada com gilete após ameaças de colega dentro de escola

"Uma colega leu a mão dela e disse que se não se cortasse, um mal muito grande ia acontecer na vida dela", contou a mãe

Aluna sofreu um corte no braço feito por uma lâmina
Aluna sofreu um corte no braço feito por uma lâmina
Reprodução/Facebook

Uma adolescente de 12 anos esteve na tarde desta quinta-feira (20) no Serviço Médico Legal de Cachoeiro de Itapemirim, na região Sul do Espírito Santo, para fazer exames. No dia 10 de abril, ela foi agredida por uma colega de colégio e teve o braço cortado, dentro da escola na Escola Francisco Coelho Ávila Junior, Escola Viva, no bairro Coronel Borges.

A agressão aconteceu dentro do banheiro, em um intervalo de almoço entre as aulas. Segundo a mãe da adolescente, Valdirene dos Santos, a história começou há mais de um mês. “Uma colega leu a mão dela e disse que se não se cortasse, um mal muito grande ia acontecer na vida dela”, contou.

A adolescente contou à mãe que a colega praticamente todo dia insistia nessa história e começou a acreditar que poderia até morrer. “Desesperada, ela não sabia mais o que fazer. Foi até o banheiro e pediu a uma outra aluna que cortasse o braço dela. A menina fez um corte com uma gilete, que renderam cinco pontos”, contou a mãe.

A mãe da adolescente que teve o braço cortado fez um boletim de ocorrência e também procurou a escola. Após uma reunião entre os pais e as adolescentes envolvidas, o caso teria sido encerrado.

OUTRO LADO

Em nota, a Secretaria de Estado da Educação, disse que a direção do Centro Estadual de Educação em Tempo Integral Francisco Coelho Ávila Junior informou que, no dia do ocorrido, foi providenciado o atendimento a estudante ferida e as duas alunas relataram para a coordenação da escola que o acidente foi com a porta do banheiro.

Uma semana após o acontecido, a mãe de uma das estudantes procurou a escola relatando outra versão. As famílias das duas estudantes foram convocadas a comparecem à escola e diante da ausência de uma das famílias a escola acionou o Conselho Tutelar para mais esclarecimentos e providências.