Notícia

Domingos Martins: um herói nacional

Neste 2017, comemoramos 200 anos da Revolução Pernambucana e também da morte de Domingos José Martins

Domingos José Martins, líder da Revolução Pernambucana de 1817, declarado por lei federal Herói Nacional, tem seu nome depositado no Panteão da Pátria e da Liberdade existente em Brasília e é o único capixaba assim homenageado.

Neste ano de 2017, comemoramos 200 anos da Revolução Pernambucana e também de sua morte. Domingos José Martins nasceu em 9 de maio de 1781, no Quartel de Boa Vista, hoje município de Marataízes. Aos 16 anos, depois de estudar em Vitória, foi mandado para Salvador, onde trabalhou em uma casa comercial portuguesa. Mais tarde, foi transferido para a matriz em Lisboa, onde concluiu seus estudos, sendo influenciado por ideias liberais e iluministas advindas da França.

Retornou ao Brasil em 1813 e se estabeleceu em Recife, onde passou a reunir em sua casa patriotas que desejavam a libertação do Brasil do domínio de Portugal, muitos deles maçons, padres católicos, comerciantes e militares. Sob sua liderança, esse grupo, organizou o movimento revolucionário que iniciaria em 6 de março de 1817.

O governador de Pernambuco, Caetano Pinto de Miranda Montenegro, passou a perseguir e a prender suspeitos revolucionários, que constituíram um Governo Provisório onde pontificava a figura de Domingos José Martins. O Movimento Revolucionário propagou para a Paraíba, Ceará, Rio Grande do Norte e Alagoas, faltando articulação para levá-lo à Bahia. O movimento não logrou êxito. A Revolução Pernambucana teve a duração de República por apenas 75 dias.

Domingos José Martins foi preso e enviado para Salvador e, em 9 de junho, diante de uma Comissão Militar, foi condenado à morte e arcabuzado no dia 12 de junho de 1817, no Campo da Pólvora. Suas últimas palavras foram “Venham executar as ordens do seu sultão. Morro pela Liberd...”.

A Revolução Pernambucana de 1817 foi uma luta inspirada na liberdade, na igualdade entre os homens e no direito patriótico de libertação ao julgo de Portugal.

*A autora é deputada estadual e presidente da Comissão de Turismo

Ver comentários