Confira a banda Amanita Flying Machine no "Divirta-se Live Session"

Banda de rock setentista é a segunda atração do programa de música

Publicado em 05/09/2018 às 20h24

Rafael Braz

rbraz@redegazeta.com.br

Confira o Amanita Flying Machina no segundo episódio da série:

Depois de curtirem o rap do Solveris no episódio de estreia do “Divirta-se Live Sessions”, na última quarta-feira, hoje é dia de muito rock’n’roll com Amanita Flying Machine no segundo episódio do programa.

O power trio formado por Henrique (guitarra e voz), Pedro (baixo) e Leandro (bateria e voz) aposta numa sonoridade setentista com pitadas de psicodelia.

“A gente bebe não é nem na música daquela época (anos 1960 e 70), mas no espírito, daquela vivência que criou uma geração”, conta Henrique.

A banda tem quatro anos de formação e uma história curiosa que envolve a (trágica) Copa do Mundo de 2014. O trio lançou o EP de estreia em julho, o que marcou o começo da trajetória 100% autoral da banda.

Para o diretor do “Divirta-se Live Sessions”, Antonio Cezar Martins, o episódio de hoje é um dos mais interessantes. “Acho a banda muito boa e as músicas ficaram bem legais, mostrando muita influência de rock 70 e do jazz”, revela. “O posicionamento da banda, na questão de escolher o autoral, também chamou a atenção. Estão focados nisso e com um trabalho muito maduro”, completa.

“A gente quis chamar o Amanita porque é eles são parte de uma novíssima geração da música capixaba, estão com um EP novo na mão”, conclui Rafael Braz, apresentador do programa e editor do C2.

LIVE SESSIONS

“Divirta-se Live Sessions”, o novo programa multiplataforma da Rede Gazeta, estreou no dia 29, no Facebook do Gazeta Online, e traz a música capixaba como protagonista – Solveris, Sunrise Blues Band, Gavi, Cainã e a Vizinhança do Espelho e Amanita Flying Machine são as bandas que participam da primeira temporada do programa.

Idealizado e dirigido pelo editor TV Gazeta Antonio Cezar Martins Filho e apresentado por Rafael Braz, editor do C2, o programa integra o movimento “Somos Capixabas”, parte da comemoração do aniversário de 90 anos da Rede Gazeta.

“Esse é um projeto antigo. Eu fazia o ‘Sonzêra’ na internet, no esquema de live sessions, e foram mais de 60 artistas tocando durante quase três anos. Com o movimento ‘Somos Capixabas’, achei que tinha tudo a ver para fomentar a música capixaba”, diz Antonio. A ideia logo foi “comprada” por câmeras, sonoplastas e até por funcionários do parque gráfico, que ajudaram com a montagem do cenário e outras questões técnicas. “Aí montamos o programa juntos”, completa Antonio.

Cada episódio tem duração entre 10 e 15 minutos e traz uma banda que intercala músicas com as entrevistas conduzidas por Rafael Braz. Todos foram gravados no galpão de bobinas da Rede Gazeta.

“O programa tem um formato de TV, só que mais enxuto e espontâneo. Como não tenho muita experiência de televisão, fica tudo mais informal, com uma linguagem mais próxima da internet. Para mim foi legal voltar a entrevistar, uma vez que o cargo de editor não tem tanto disso. As entrevistas são focados no mercado autoral dessa ‘novíssima’ música capixaba, nas dificuldades, conquistas e na representatividade deles nos cenários local e nacional”, explica Rafael.

Compartilhe


No ad for you