Notícia

Prévia do PIB em alta mas setores da indústria tem baixa demanda

Entenda os efeitos dos últimos números da economia na análise de José Márcio de Barros

Indústria teve recuo na produtividade de alguns setores
Indústria teve recuo na produtividade de alguns setores
Foto: Carlos Alberto da Silva

O Banco Central divulgou o IBC-BR de novembro - prévia do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil. O resultado surpreendeu o mercado, já que apresentou crescimento, ao contrário da expectativa de queda ou leve alta. Foi o quarto mês seguido de alta do indicador. No acumulado do ano, o IBC-BR acumulou uma alta de 0,95%. Em novembro, a expansão foi de 0,18%, em comparação com o mês anterior. Com isso, está praticamente confirmada a expectativa de um crescimento de 1% a 1,1% do PIB de 2019. Quem repercute o resultado é José Márcio de Barros, neste CBN Investimentos.

"Alguns indicadores são determinantes quando se quer apurar se está havendo crescimento, ou não. São dados interessantes. Por exemplo: a produção de carros, que caiu de maneira expressiva - 10%. Esta queda é explicada pela falta de demanda vinda da Argentina. Uma outra medida que da o reflexo da queda nos negócios é o fluxo pedagiado de veículos que caiu 2% e, por ultimo, e também importante, foi a queda de 3% na produção de papel ondulado", diz.

"Sob a ótica da demanda em 2019 o consumo das famílias teve uma alta de 2% e espera-se um crescimento de 2,6% . Os investimentos cresceram 3,3% em 2019 e em 2020 espera-se um crescimento de 4,1%. Tanto o Governo quanto a iniciativa privada apresentaram um baixo crescimento em 2019", pontuou.

Alguns outros indicadores que mostra a pujança da economia são: na area do comércio, o numero de consultas ao SPC, que em novembro, caiu 5,4%.

Ouça o quadro completo:

Ver comentários