Notícia

O crime não vai compensar, diz secretário de Segurança do ES

Roberto Sá diz que o programa Estado Presente vai trazer de volta a Patrulha da Comunidade. Mas detalhes do planejamento dessa atuação ainda estão em formulação

Secretário estadual de Segurança Pública, Roberto Sá, no estúdio da Rádio CBN Vitória
Secretário estadual de Segurança Pública, Roberto Sá, no estúdio da Rádio CBN Vitória
Foto: Adalberto Cordeiro

Policial federal de carreira, Roberto Sá foi nomeado nesta quarta-feira (09) para assumir o comando da Secretaria estadual de Segurança Pública do Espírito Santo. Ele aguardava a liberação do Ministério da Justiça, que aconteceu no dia anterior. Em entrevista à Rádio CBN Vitória, Roberto Sá falou sobre algumas diretrizes que vai seguir para combater a violência no estado. Entre os pontos de destaque, está o programa Estado Presente, que vai retomar, segundo ele, a Patrulha da Comunidade, por exemplo. Detalhes sobre o programa não foram repassados pois, segundo o secretário, isso está em fase de formulação dentro da pasta.

Sobre o combate aos homicídios, que são registram altos índices historicamente no Espírito Santo, o secretário informou que haverá atuação para manter a trajetória de queda dos números, e ressaltou que haverá também maior envolvimento da área de investigação e citou "ousadia" para mudar o ciclo da impunidade no estado.

"O maior bem é a vida. Sempre vamos focar na preservação da vida. Como norte da preservação da vida, ai, sim, entram as estratégias: os programas, os projetos e as ações. Então, a Polícia Civil, já encarregada de investigar os delitos através das suas delegacias e divisões, está orientada a aumentar sua capacidade de resolutividade em inquéritos - ou seja, encerrar com autoria e materialidade - e efetivar uma verdadeira "caça ao homicida". Uso essa expressão para mostrar que é para prender com a integridade física perfeita e entrega-lo à Justiça. Mas no Brasil é comum se afirmar que o crime compensa, que a impunidade reina. Temos que mudar essa fala. Temos essa ousadia para o Espírito Santo: o crime não vai compensar, principalmente o crime violento", destacou.

Sobre atuação da Polícia Militar nas ruas, Roberto Sá explicou que há previsão de se usar cada vez mais tecnologia para auxiliar no trabalho pelos militares, como câmeras e veículos aparelhados. Ele ressaltou que há demandas já feitas junto ao comando da PM para trazer racionalidade no trabalho ostensivo dos policiais, focando na "atividade fim" - nas ruas - como ele definiu.

Ouça a entrevista completa:

 

 

 

 

Ver comentários