Notícia

Após rompimento de barragem, estudo aponta novas espécies no Rio Doce

Em entrevista à CBN Vitória, Ângelo Bernardino, professor do Departamento de Oceanografia da Ufes, detalhou o estudo

Após o rompimento da barragem de Mariana, em Fundão (MG), em novembro de 2015, um novo estudo identificou - por meio da chamada técnica do “DNA Ambiental” ou “eDNA” - 123 espécies novas de microorganismos no Rio Doce - animais invertebrados subaquáticos com no máximo cinco milímetros. Eles foram encontrados no estuário do Rio Doce, que é o local onde o rio se encontra com o mar – na região de Regência, no município de Linhares. Ângelo Bernardino, professor do Departamento de Oceanografia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), traz detalhes do assunto. 

"A gente vai continuar acompanhando essa situação e fazendo novas amostragens já no próximo ano. Vamos acompanhar como essa diversidade evolui e e o comportamento dos rejeitos e dos metais que ainda estão acumulados. Comparando os níveis de metais e diversidades, a gente consegue ter uma ideia de como essa comunidade vai se portar", explica. 

Ver comentários