Notícia

Estudantes poderão perder a gratuidade do vale transporte por uso indevido do cartão

A GVBus constatou que o benefício é repassado à terceiros, ou seja, não está sendo utilizado pela pessoa cadastrada

Por uso indevido do vale transporte, estudantes, idosos e deficientes podem perder o direito à gratuidade no passe do Sistema Transcol. A GVBus constatou que o benefício é repassado à terceiros, ou seja, não está sendo utilizado pela pessoa cadastrada. Até está quarta-feira (08), 111 cartões foram bloqueados. Mais de 1.000 ainda estão sob análise do sindicato.

A irregularidade foi descoberta devido ao dispositivo de biometria facial, instalado no ônibus do Sistema Transcol. Quando os usuários beneficiários de qualquer tipo de gratuidade entram no coletivo e passam pela roleta, o sistema faz três fotos. As imagens capturadas são comparadas com a cadastrada no banco de dados do sistema. Ao final do dia, as imagens são envidadas para o GVBUS que avalia através do sistema biométrico, segundo informações de Elias Baltazar, diretor executivo do GVBus

"Constatada essa irregularidade, essa não conformidade, a gente checa e busca informações durante três dias seguidos, para verificar se efetivamente o cartão está sendo usado de forma indevida por outros usuários, e não pelos portadores dos benefícios de gratuidade", explicou.

Dos cartões de passe já bloqueados, 65 eram de estudantes que pagam apenas metade do valor da passagem; 27 de estudantes com passagem 100% custeada pelo governo, 9 de idosos e 10 de deficientes físicos, que também possuem direito à gratuidade.

Baltazar ressaltou os prejuízos da prática ilegal no uso do passe para os cofres públicos. "O ato de estar utilizando um benefício indevidamente, que é custeado pelo Estado, provoca um prejuízo no erário público. E pode incorrer em futuro processo. A própria legislação que trata especificamente do passe escolar, traz essa possibilidade de outras penalidades legais. Cada caso será estudado de acordo com os fatos comprovados", afirmou.

Todas as pessoas que tiveram os cartões bloqueados estão assinando um termo que relata os motivos dos bloqueios, segundo Baltazar. Idosos e deficientes físicos que tiveram os cartões bloqueados devem procurar a CETURB-GV para regularizar a situação.

Os estudantes que pagam 50% do valor da tarifa ficarão dois meses impedidos de fazer compra de créditos para utilizar o sistema de transporte, conforme legislação. Já os estudantes que não pagam passagem terão os cartões bloqueados por 30 dias. Nesses dois casos, se houver reincidência, eles terão o direito de compra suspenso até o fim do período letivo, só podendo retornar ao sistema no ano seguinte, com um novo recadastramento.

Ver comentários