Notícia

Futuro secretário de Educação vai manter projeto Escola Viva

Segundo Vitor de Angelo, futuro secretário de Educação na gestão de Renato Casagrande, a Escola Viva não é um projeto de governo, mas uma meta do Plano Nacional de Educação. Objetivo é que até 2024, 50% das escolas estaduais funcionem em período integral

Vitor de Angelo vai comandar a Sedu
Vitor de Angelo vai comandar a Sedu
Foto: G1

O futuro secretário de Educação, Vitor Amorim de Angelo, vai continuar com o Projeto Escola Viva na gestão de Renato Casagrande. Segundo Vitor, a Escola Viva não é um projeto de governo, mas uma meta do Plano Nacional de Educação, por isso, a Secretaria de Educação (Sedu) vai continuar trabalhando para chegar até 2024 com 50% das escolas estaduais funcionando em período integral.

“A escola em tempo integral não é uma iniciativa nem uma inspiração dessa gestão. Na verdade, ela se inspira em uma experiência anterior, no Estado de Pernambuco. O aumento de alunos matriculados no ensino integral é uma meta do Plano Nacional de Educação e do Plano Estadual de Educação”, contou.

> Delegado da Polícia Federal será o secretário de Segurança do ES

O futuro secretário de Educação, que também é doutor em Ciências Sociais, destacou que não vê problemas na metodologia aplicada na Escola Viva, para ele, o principal erro do projeto foi a falta de diálogo com a comunidade escolar.

Leia também

“Pode ser que seja necessário fazer correções na metodologia, mas não me parece que essa é a principal agenda da nossa secretaria, mas sim dialogar, essa é uma questão muito importante. Temos que envolver essas pessoas nesse projeto de país”, contou.

Segundo Vitor, após assumir a pasta, ele vai analisar quantas novas Escolas Vivas precisam ser criadas para cumprir a meta nacional.

> Casagrande participa nesta quarta de reunião com Bolsonaro

O nome do projeto também será mantido. O governador eleito, Renato Casagrande (PSB), chamou de atrasado o fato de trocar nomes de programas e projetos só porque houve uma mudança de gestão.

“Para nós o que importa é que avancemos na escola de tempo integral. Fiz muita crítica a atual gestão por ter trocado nomes de projetos e programas sem necessidade nenhuma, só porque era de outro governo. Não vamos cometer esse erro do passado”, disse. 

Questionado sobre outras iniciativas para a educação no Espírito Santo na nova gestão, Vitor de Angelo afirmou que vai precisar tomar conhecimento de tudo o que está sendo feito na área para depois traçar um diagnóstico e definir novas medidas.

Ver comentários