Notícia

Paralisação dos rodoviários: 67 linhas de ônibus deixaram de circular

Quase 400 ônibus deixaram de circular e 776 profissionais aderiram à paralisação

Ônibus parados na garagem da viação Praia Sol: cobradores e motoristas alegaram atraso de salário
Ônibus parados na garagem da viação Praia Sol: cobradores e motoristas alegaram atraso de salário
Foto: Caíque Verli

Por volta das 13h50, os ônibus da Viação Praia Sol, em Vila Velha, voltaram a circular nas ruas. A empresa foi a última, dos três alvos de manifestação de rodoviários nesta terça-feira (08), a retomar a operação. Com o movimento, 67 linhas de ônibus ficaram sem circular na Grande Vitória por mais de nove horas na manhã desta terça-feira (08). Motoristas e cobradores cruzaram os braços às 3h30 em protesto contra o atraso de salário nas viações Praia Sol e Vereda Transportes, em Vila Velha, e Serramar, na Serra. A Viação Grande Vitória também foi alvo de manifestação, mas o movimento não durou muito porque a empresa pagou o salário durante a madrugada mesmo.

Quase 400 ônibus deixaram de circular e 776 profissionais aderiram à paralisação. As regiões mais afetadas foram a de Terra Vermelha, em Vila Velha, conhecida como região 5, e toda a área de balneários da Serra: Jacaraípe, Manguinhos, Carapebus. 

 

Os manifestantes afirmam que só receberam 60% do salário no dia certo. Valdecir Laurindo, que é diretor do Sindicado dos Rodoviários, afirma que esse é um problema recorrente. "Agora mesmo no Natal, os trabalhadores ficaram sem receber. Só foram receber no dia 28. Ninguém passa fiado nessa roleta. Já que é um consórcio, por que uma empresa não ajuda a outra? Por que umas pagam e outras não? Teve empresa que pagou desde sexta-feira (03). E os juros do cartão de crédito do trabalhador? O aluguel? As contas? Quem vai pagar?", questionou o sindicalista.

> Lista com nome de rodoviários parados gera confusão em empresa

Segundo o jurídico do Sindicato dos Rodoviários, o sábado, para fins de pagamento, é considerado dia útil e, portanto, o salário tinha que ter sido depositado até segunda-feira. Um cobrador que atua há 17 anos na área e não quis se identificar disse que alguns colegas passaram o fim de ano com muita dificuldade.  "É difícil passar o natal sem dinheiro na conta. Você quer comprar alguma coisa para os filhos e fica em uma situação constrangida", afirmou.

Em nota, o sindicato que representa as empresas de ônibus, o GVBus disse que lamentava a postura do Sindicato dos Rodoviários. De acordo com as empresas, os sindicalistas surpreenderam a população e as empresas ao realizar uma paralisação sem se preocupar em informar os passageiros previamente, como prevê a lei de greve. Já a Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado do Espírito Santo (Ceturb) disse que adotou medidas operacionais para garantir a operação das linhas troncais, que são mais demandadas, com o remanejamento de veículos do consórcio operador.

Ver comentários