Notícia

Com paralisação parcial, passageiros sofrem e perdem compromissos

Com a manifestação, pela manhã, 425 coletivos ficaram parados, prejudicando linhas que atendem Viana, Cariacica e Vila Velha.

Rodoviários de mais uma viação do Transcol também param as atividades
Rodoviários de mais uma viação do Transcol também param as atividades
Foto: Caíque Verli

Esta quarta-feira (13) foi mais um dia muito difícil para quem depende de transporte público na Grande Vitória. Além da viação Santa Zita, em Viana, os rodoviários paralisaram as atividades em mais duas outras empresas de ônibus, desta vez em Vila Velha: a Praia Sol e a Vereda, que funcionam no mesmo espaço, no bairro Nossa Senhora da Penha.

Com a manifestação, pela manhã, 425 coletivos deixaram de rodar, prejudicando linhas que atendem Viana, Cariacica e Vila Velha. 

Em Vila Velha, a região 5, de Terra Vermelha, foi a mais prejudicada, mas outros bairros também são afetados.

Os pontos de ônibus amanheceram lotados e todo mundo foi pego de surpresa já que, assim como no dia anterior, quando a categoria fechou a Santa Zita, não houve um aviso prévio à população avisando sobre a paralisação.

Erli Santos, que é vigia e trabalho a madrugada toda, estava há mais de duas horas esperando no ponto de ônibus em Terra Vermelha. "Trabalhei, cansado. To indo embora agora, mas cadê o ônibus? Trabalhei a noite toda, larguei agora às 6h e estou doido para descansar"

Teve gente que acabou perdendo aula. O Wesley de Oliveira, de 21 anos, mora em Aribiri, Vila Velha, e não conseguiu ir para Vitória, onde tem aula em um curso técnico de automação industrial. "Era para chegar até 7h30, saí de casa 6h20, falaram que não tem ônibus e tive vir andando. Estou aqui esperando no ponto. Vou ter que ficar em casa, tomar falta de graça", lamentou.

A Rafaela Rangel, de 14 anos, foi outra estudante prejudicada. Às 7h15, ela ainda esperava ônibus no Terminal do Ibes e já estava atrasada para aula na escola, localizada no bairro Praia de Itaparica.

"Já passou do horário da gente estar na escola e até agora não saiu nenhum ônibus. Nós estávamos em outro ponto, tivemos que vir para cá andando e mesmo assim não tem ônibus nenhum. Se a gente for para escola, vamos chegar bem atrasados".

Os rodoviários protestam contra a contratação por jornada de trabalho reduzida, que é de 5h por dia. Já o GVBus, sindicato que representa as empresas de ônibus, afirma que o movimento é ilegal porque não houve aviso prévio. Garante ainda que esse modelo de contratação está previsto em lei e esclareceu que somente os novos empregados, ou seja, que estão sendo contratados agora, entram nas empresas  no regime de jornada por tempo parcial, com salário proporcional.

O Sindicato das Empresas de Transporte Metropolitano da Grande Vitória (GVBus) informou no início da tarde desta quarta-feira (13) que as duas garagens de viações que estavam bloqueadas em Vila Velha foram liberadas por rodoviários, por volta das 14h30.

A Justiça havia proibido o Sindicato dos Rodoviários de bloquear a entrada e saída de ônibus e funcionários da garagem das empresas Praia Sol e Veredas, em Vila Velha, sob multa de R$ 100 mil.

A decisão foi dada pela juíza Denise Alves Tumoli Ferreira, da 1ª Vara do Trabalho de Vitória, e não vale para a viação Santa Zita, em Viana.

Ver comentários