Notícia

Serra é a cidade com mais assaltos a ônibus na Grande Vitória

Por conta da grande quantidade de assaltos nos últimos meses, passageiros têm estratégias para não serem as próximas vítimas

Serra é a cidade da Grande Vitória com a maior quantidade de assalto a ônibus
Serra é a cidade da Grande Vitória com a maior quantidade de assalto a ônibus
Foto: Eduardo Dias

O medo de ser assaltado dentro do ônibus faz parte da rotina de milhares de pessoas na Grande Vitória. O número desse tipo de ocorrência é tão alto, que foi necessária a criação de uma Delegacia Especializada de Crimes Contra os Transportes de Passageiros (DCCTP), que está em funcionamento desde agosto do ano passado. Dados contabilizados pela Polícia Civil mostram que nos últimos seis meses de 2018 foram registrados 233 boletins de ocorrência referentes a assaltos a ônibus na Grande Vitória - uma média superior a uma ocorrência por dia. A Serra é a cidade com o maior número de assaltos.

O pedreiro Aílton Pereira da Silva nunca foi assaltado, mas garante que tem medo de ser a próxima vítima. Ele é morador do bairro Serra Dourada, na Serra, e tem táticas próprias para viajar nos coletivos. "Sempre eu deixo o meu celular escondido. Eu ando com dois celulares. Um bem ruim na frente e o melhorzinho eu deixo dentro da bolsa", explicou o passageiro.

O pedreiro Aílton Pereira nunca foi assaltado no ônibus, mas garante que tem medo de ser a próxima vítima dos bandidos
O pedreiro Aílton Pereira nunca foi assaltado no ônibus, mas garante que tem medo de ser a próxima vítima dos bandidos
Foto: Eduardo Dias

A estudante Jhenniffer da Costa mora no bairro José de Anchieta, na Serra, e também afirma que não usa o celular dentro do ônibus. "Eu deixo meu celular sempre escondido, eu tenho medo porque a Serra é um lugar perigoso e sempre tem assalto. Eu conheço gente que foi assaltada dentro do ônibus lotado. Eles pegam ônibus cheio. Eu sempre deixo o celular escondido e a minha bolsa na frente", disse a estudante.

Os passageiros Aílton e Jhenniffer têm motivos de sobra para se sentirem inseguros e esconderem o celular. De acordo com o delegado Gabriel Monteiro, titular da Delegacia Contra Crimes em Transporte de Passageiro, muitos criminosos roubam os coletivos em busca dos aparelhos de celular. O delegado diz que a maioria dos aparelhos é vendida no mercado informal.

A estudante Jhenniffer da Costa mora no bairro José de Anchieta, na Serra, e usa o celular dentro do ônibus
A estudante Jhenniffer da Costa mora no bairro José de Anchieta, na Serra, e usa o celular dentro do ônibus
Foto: Eduardo Dias

 

 

O delegado da Polícia Civil também afirmou que 10 pessoas foram presas na semana passada, após comprarem celulares que foram roubados dentro de ônibus. Todas os detidos foram acusados de receptação de produtos roubados.

"Pelo que as nossas investigações estão mostrando, infelizmente são pessoas comuns e lojas de celulares. Estamos efetuando essas prisões por receptação. Para os comerciantes estamos realizado prisões por recepção qualificada, que é um crime mais grande que a receptação comum", disse o delegado.

As pessoas que compram celulares roubados podem ser condenadas por até quatro anos de prisão. As que são indiciadas por receptação qualificada podem ficar presas por até oito anos. 

SERRA LIDERA A QUANTIDADE DE OCORRÊNCIAS

De acordo com dados da Polícia Civil, a Serra teve 74 boletins de ocorrências por assalto a ônibus no segundo semestre do ano passado. Cariacica teve 58 ocorrências, Vitória registrou 57, Vila Velha teve 40 e Viana teve quatro boletins registrados. A Polícia Civil não divulgou os bairros com a maior quantidade de ocorrências e a quantidade de pessoas presas acusadas de efetuar os roubos.

O secretário de Defesa Social da Serra, coronel Nylton Rodrigues, afirmou que Guarda Municipal atua em conjunto com a Polícia Militar e Polícia Civil para diminuir o número de roubos a ônibus do município.

A quantidade de roubos aos coletivos na Grande Vitória também aumenta a preocupação entre os profissionais que trabalham nos coletivos. O presidente do Sindicato dos Rodoviários do Espírito Santo, José Carlos Salles, diz que entidade pretende marcar uma reunião com a Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp), para discutir melhorias na segurança dos coletivos. Uma das intenções dos rodoviários é solicitar que as forças de segurança realizem blitze em locais com maior incidência de assaltos aos ônibus.

Ver comentários