Notícia

Motorista pode acionar Justiça ainda no local de acidente

Em geral, é cabível o acionamento da justiça, quando o responsável pelo acidente se recusa a arcar com os custos

Um dos postos de atendimento fica na Terceira Ponte
Um dos postos de atendimento fica na Terceira Ponte
Foto: Caíque Verli

Para agilizar processos na Justiça relacionados a acidentes de trânsito sem vítimas, o Espírito Santo conta, há mais de 20 anos, com o projeto Justiça Volante.

Nele, o motorista que teve algum dano no carro consegue dar entrada na Justiça ainda no local do acidente após registrar o boletim de ocorrência. Em geral, é cabível o acionamento da justiça, quando o responsável pelo acidente se recusa a arcar com os custos.

Apenas em 2019, 605 processos foram distribuídos até o momento para o 3º Juizado Especial Cível, unidade em que funciona a Justiça Volante.

 

O serviço é gratuito e pode ser acionado por envolvidos em acidentes de trânsito sem vítimas, pelo telefone 190, do Centro Integrado Operacional de Defesa Social (Ciodes), das 8 às 20 horas, de segunda a sábado.

O capitão Sandro, comandante da companhia de batalhão de transito, explica que para dar entrada na Justiça, o motorista precisa preencher o termo de apresentação de queixa.

"O próprio cidadão preenche esse documento e ali ele vai citar a sua versão, aquilo que aconteceu no local. Ele dará sua versão, o militar vai auxiliá-lo e e esse documento seguirá para a Justiça Volante, que é o 3°Juizado Especial Cível, para que haja uma rápida resposta para o cidadão", reforça o capitão.

O atendimento também acontece nos postos da Terceira Ponte, Alecrim e Jardim Camburi, onde os veículos da Justiça Volante ficam estacionados quando não estão atendendo aos chamados. Após o acidente, o motorista tem um prazo de 72h para procurar a Justiça Volante .

Ver comentários