Notícia

Prefeitura da Serra divulga dados errados sobre infectados pelo vírus HIV

De acordo com o município, há 45 registros a mais em 2019 do que foi divulgado anteriormente para a reportagem

Campanha contra a AIDS/HIV
Campanha contra a AIDS/HIV
Foto: Arquivo/AG

A prefeitura da Serra divulgou dados diferentes sobre os registros de diagnóstico de infecção pelo vírus HIV no município, na quarta-feira (09). Um dia antes, os números repassados e divulgados pela reportagem apontavam um aumento de 53% de registros de portadores de HIV do mês de agosto para setembro.

De acordo com os dados fornecidos pela Prefeitura, e divulgados pela reportagem de A Gazeta na terça-feira (08), foram 26 registros em setembro, 19 a mais que no mês anterior. O total de novos diagnósticos seria de 95 em 2019.

Porém, a prefeitura entrou em contato com a reportagem repassando novos números. Neles, há menor diferença entre os meses, sendo que em setembro teriam sido 15 diagnósticos de infecção por HIV enquanto em agosto foram 13 exames positivos.

“A irregularidade dos dados anteriores nos chamou atenção. Descobrimos que houve um erro na hora de colher as informações para serem repassadas à reportagem. Na verdade, a assessoria não teve acesso aos números adequados que são do Centro de Testagem e Aconselhamento que só cuida de portadores com HIV”, explicou o subsecretário de saúde, Aldo Lugão.

Dentro dos números apresentados agora, janeiro possui o pico de diagnósticos. “Essa variação pode acontecer, em especial em época de campanhas nacionais, o que estimula a procura espontânea para a realização do exame” mais campanhas, busca ativa.

Sobre os números anuais, também houve mudança. Diferentemente dos 95 registros, em 2019 foram 140 diagnósticos. E o dado de 2018 foi de 191 novos casos e não 141, como divulgado anteriormente.

Lugão informou que qualquer morador da Serra pode fazer o exame nas unidades de saúde do município. “Inicialmente, há o teste rápido que pode ser feito sem passar pelo médico. Se soropositivo, é encaminhado para o médico para a solicitação da sorologia, que é um exame mais complexo”, descreveu o subsecretário.

Se for confirmado o diagnóstico, o portador do vírus HIV é encaminhado para o Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA), onde é disponibilizado acompanhamento médico, psicológico, infectologista e ofertadas todas as medicações necessárias.

Ver comentários