Notícia

Antes de emprestar seu nome, calcule bem os riscos

Se o amigo ou familiar que tomou o empréstimo não pagar a dívida, você terá que arcar com o prejuízo ou pode acabar com o nome sujo

Com a chegada das festas de fim de ano é comum receber um pedido dos amigos e familiares mais próximos: “Não tenho crédito. Posso comprar em seu nome?”. Apesar de parecer inofensivo, os especialistas alertam: emprestar o CPF pode comprometer sua vida financeira.

Por maior que seja o laço de amizade ou parentesco, é importante preservar o próprio nome. Isso porque, caso a pessoa não consiga pagar a dívida, você poderá ficar comprometido não apenas com o saldo devedor, mas seu nome será negativado. E ninguém quer começar o próximo ano com um problema como este.

Por isso, avalie bem os riscos. Se a pessoa não cuidou do próprio nome, é provável que não terá cuidado com o seu também. Ao dizer não, você evita que seu nome vá para o cadastro de inadimplentes e um processo judicial.

Conheça os riscos:

1. Se a dívida não for paga, seu nome pode ser incluído em cadastros de instituições de proteção ao crédito; 2. Com o “nome sujo”, você fica impedido de contratar um financiamento para compra de uma casa ou veículo e de tomar empréstimos. Além disso, pode ficar sem o cartão de crédito;

3. Você pode sofrer cobranças via processos judiciais dos credores, gerando custos com advogados;

4. Se você tentar adiar ou negar o pagamento alegando que a dívida não lhe pertence, pode prejudicar ainda mais a sua situação financeira; 5. Quando você empresta seu nome, salvo raríssimas exceções, não recebe nenhuma garantia de que a dívida será paga. Portanto, é provável que a responsabilidade pela dívida seja inteiramente sua;

6. Mais da metade dos atuais inadimplentes que contraíram dívidas por emprestarem o nome está nessa situação há 3 anos, o que significa que é um problema de difícil resolução; 7. É bem provável que o seu relacionamento com a pessoa que “sujou o seu nome” seja prejudicado, podendo até ocorrer a perda definitiva do vínculo; 8. A vida da pessoa que “emprestou o nome” pode se desestruturar emocional e moralmente, com perda de sono e autoestima.

Preserve seu nome e também os relacionamentos entre seus amigos e parentes. É preferível dizer não agora. No entanto, se você decidir emprestar seu nome, tenha certeza de que o

montante da dívida não vai fazer falta e nem desestabilizar o seu orçamento.

Saiba mais: procon.vitoria.es.gov.br

Ver comentários