Relembre a coleção que fez muita gente tomar gosto pela leitura

A maioria de nós tomou gosto pela leitura com essa série de livros infanto-juvenis

Publicado em 23/08/2017 às 20h54

Atualizado em 24/08/2017 às 09h43

Eles vinham, inclusive, com um encarte à parte, chamado de "suplemento de trabalho"
Foto:Divulgação
Eles vinham, inclusive, com um encarte à parte, chamado de "suplemento de trabalho"

Muitas crianças e adolescentes dos anos 70 e 80 adquiriram o gosto pela leitura graças a uma coleção de livros lançada no início dos anos 70 pela Editora Ática, a Coleção Vaga-Lume. Os livrinhos, destinados ao público infanto-juvenil, foram um grande sucesso naquela época, e continuam sendo publicados até hoje.

A coleção nasceu no final de 1972 e ajudou muito a Ática a se fortalecer no mercado editorial, porque foram imaginados para serem usados nas escolas, como fonte de leitura para trabalhos escolares. Eles vinham, inclusive, com um encarte à parte, chamado de “suplemento de trabalho”, que ajudava o pequeno leitor a compreender melhor as estórias em uma série de exercícios de análise do livro. Assim, se tornou comum professores do primeiro e segundo graus de todo o país indicarem esses livros como parte do programa de leitura anual de seus alunos.

 A coleção conta atualmente com mais de noventa títulos, e apesar de completamente reformulada, ainda faz muito sucesso nas escolas
Foto:Divulgação
A coleção conta atualmente com mais de noventa títulos, e apesar de completamente reformulada, ainda faz muito sucesso nas escolas

Verdadeiro fenômeno de vendas, a coleção tem exemplares que ultrapassaram facilmente os 2 milhões de exemplares. Autores que já eram consagrados na época, como Maria José Dupré e Marcos Rey, tiveram obras publicadas na coleção. Marcos Rey – na verdade, o pseudônimo do escritor Edmundo Nonato – já era bem conhecido na época por seus romances e contos adultos, e foi na Vaga-Lume que ele escreveu seus primeiros livros para o público infanto-juvenil. Outros autores, como Marçal Aquino e Marcelo Duarte, escreveram exclusivamente para a coleção.

A Ilha Perdida, O Escaravelho do Diabo, Aventuras de Xisto, Cabra das Rocas e O Caso da Borboleta Atíria são títulos que foram publicados na primeira fase da coleção e continuam sendo lembrados até hoje, e alguns também ganharam republicações recentes. A coleção conta atualmente com mais de noventa títulos, e apesar de completamente reformulada, ainda faz muito sucesso nas escolas.

Um de seus volumes mais conhecidos, O Escaravelho do Diabo, de Lúcia Machado de Almeida, recentemente foi parar nas telas do cinema, alcançando um relativo sucesso de público. Outros filmes baseados em livros da coleção podem estar a caminho, já que títulos como O Mistério do Cinco Estrelas e Um Cadáver Ouve Rádio também tiveram seus direitos comprados para uso no cinema. (As informações são do jornalista Roosevelt Garcia)

Compartilhe



Mais no Gazeta Online