Stephen King: rei na literatura e no cinema

Com três filmes lançados neste ano baseados nas obras de Stephen King, o C2 quis saber: o escritor foi redescoberto ou nunca esquecido?

Publicado em 13/10/2017 às 15h11

Atualizado em 16/10/2017 às 11h25


Gosta de terror? E da obra do escritor americano Stephen King? Caso tenha respondido positivamente às perguntas acima, acredito que você, leitor, tenha percebido que três filmes que chegaram neste ano ao cinema – ou aos serviços de streaming – são adaptações de obras do mestre da literatura sobrenatural.

Os títulos são: “A Torre Negra”, “It: A Coisa” e “Jogo Perigoso” – este último disponível apenas na Netflix. Embora considerado um filme de baixo orçamento e também pelo fato de ter sido massacrado pela crítica especializada, é de se surpreender que “A Torre Negra” tenha ido até bem nas bilheterias mundo afora (foi mal nos EUA, mas o nome de King segura um filme nos cinemas).

Mas nenhum êxito compara-se a “It: A Coisa”: desde o seu lançamento, o filme arrecadou mais de US$ 600 milhões. Os números fizeram com que o filme de Andy Muschietti tenha alcançado o posto de maior bilheteria de um filme de terror na história do cinema.

Deixando as cifras de lado, o mais interessante é perceber que Stephen King, que completou 70 anos de idade no mês passado, é cool novamente.

Professor do curso de Cinema e Audiovisual da Ufes, Klaus’Berg Bragança discorda. “Não sei mesmo se ele foi esquecido. Por isso não acho que seja uma redescoberta. É algo sazonal”, rebate.

 

 

VÁRIAS ADAPTAÇÕES

Klaus relembra que desde o início da carreira Stephen King foi adaptado para as telas. “Grandes diretores elegeram os textos”, diz o professor, citando o filme “O Iluminado”, de Stanley Kubrick.

A primeira dessas obras a virar filme foi justamente seu primeiro livro: “Carrie: A Estranha” (1974), que foi para o cinema dois anos depois. De lá pra cá, mais de 240 produções – entre filmes e episódios de seriados – têm o DNA de King.

Tudo isso mostra que o americano nascido em Portland, no Maine (Estado onde ambienta “It: A Coisa” e outras histórias de sua autoria), nos Estados Unidos, é amado em Hollywood.

O resultado disso? Bons filmes e seriados, mas também algumas tranqueiras. Equilibrados que somos, oferecemos, abaixo, alguns dos piores e melhores filmes que tiveram adaptação de um rascunho do escritor que já vendeu mais de 400 milhões de livros.

MELHORES

Carrie (1976)

Adaptação do livro publicado por King em 1974 e dirigido por Brian de Palma (“Scarface” e “Missão: Impossível”). Clássico do terror.

O Iluminado (1980)

Cheio de tensão e com uma atuação marcante de Jack Nicholson. Stephen King não curte muito a adaptação feita por Stanley Kubrick, mas isso não faz com que o filme não deixe de ser uma obra-prima.

It: A Coisa (2017)

Um filme com palhaço capetoso, bons personagens e bem assustador. Aula de terror moderno.

Conta Comigo (1986)

Apesar do pequeno orçamento, tornou-se um dos filmes mais clássicos dos anos 1980.

Um Sonho de Liberdade (1994)

Pouco empolgou a galera quando foi lançado. Entretanto, o filme está no topo da lista dos 250 melhores filmes, segundo o IMDB.

PIORES

O Apanhador de Sonhos (2003)

Quatro amigos se reúnem numa cabana isolada nos bosques do Maine. De repente, uma tempestade de neve. Junto dela, alienígenas. Bisonho é pouco!

Mangler, O Grito de Terror (1995)

Deus do céu... De onde tiraram que levar para o cinema a história de uma máquina de lavar possuída seria uma boa ideia? Óbvio que não deu certo.

Torre Negra (2017)

Não dá pra acreditar que os sete livros da obra máxima de Stephen King fossem virar um filme sem graça.

A Criatura do Cemitério (1990)

Uma infestação de ratos numa companhia têxtil, os trabalhadores descobrem um segredo no porão. Parece legal, mas não vale a pena.

Celular (2016)

Ideia sem pé e nem cabeça e mal executada. Celulares transformando pessoas em monstro já não é uma ideia boa, mesmo que seja do Stephen King.

Compartilhe



Mais no Gazeta Online