"Com Amor, Van Gogh" é um verdadeiro espetáculo visual

Cada um dos 65 mil frames do filme é um quadro pintando com a técnica do pintor holandês

Publicado em 16/11/2017 às 18h41

Atualizado em 16/11/2017 às 19h05

Foto: Reprodução
Uma das telas de ''Com Amor, Van Gogh''

“Com Amor, Vincent” chama atenção desde o primeiro momento. Uma declaração de amor dos diretores Dorota Kobiela e Hugh Welchman ao pintor holandês Vincent Van Gogh, o filme que está em pré-estreia no Cine Jardins, em Vitória, conta a história do artista revisitando lugares e pessoas presentes nas mais de 400 obras.

O que salta ao olhar, porém, é a técnica utilizada para confecção da animação – repetindo o estilo de pintura à óleo do pintor, 125 artistas trabalharam para que cada um dos 65 mil (!!!) frames do filme fosse uma pintura única. O resultado é uma experiência única, quase uma viagem psicodélica que merece ser vivenciada no cinema.

Foto: Reprodução
Uma das telas do filme

Além de trazer espetáculo visual, o filme também se preocupa em falar da vida de Van Gogh e até se aprofunda nos detalhes de sua morte – até hoje resta a dúvida se o artista se matou ou foi morto. A reconstrução se dá a partir da viagem de Armand Roulin (Douglas Booth), pouco depois da morte do pintor, para entregar uma carta perdida de autoria dele endereçada a seu irmão, Theo.

A história, na verdade, serve apenas para dar um fio narrativo ao trabalho de criação visual. Mesmo que cause algum estranhamento, ele logo se dissipa, dando lugar ao encanto.

Hugh Welchman e Dorota Kobiela fizeram um filme live-action e, na pós-produção, os artistas emprestaram seus talentos em forma de pintura. Por isso é fácil reconhecer alguns rostos como Saoirse Ronan e Jerome Flynn.

Fundamental para quem curte arte, “Com Amor, Van Gogh” funciona muito mais como homenagem do que como biografia, mas não tem problema nenhum nisso.

Compartilhe



Mais no Gazeta Online