Bastidor: estruturas por trás dos shows de Roberto Carlos e VillaMix

A reportagem do Gazeta Online teve acesso exclusivo à Arena Vitória e registrou parte da arrumação do local para as apresentações

Publicado em 13/04/2018 às 17h03

Montagem do VillaMix
Foto:Itagildo Marques/Divulgação
Montagem do VillaMix

O Espírito Santo vai receber dois grandes shows neste sábado (14). Primeiro, a apresentação de Roberto Carlos, que acontece na Arena Vitória, na Capital. E, depois, o festival VillaMix, no Pavilhão de Carapina, na Serra. Quem vai aos locais já preparados para recepcionarem o público, às vezes, não consegue imaginar o que há por trás das dezenas de caminhões que carregam as partes dos palcos,  que chegam em várias hastes de metal. Ou então um painel de led de quatro metros que vem todo separado.

Toda estrutura de logística, que inclui não somente a montagem do palco, como a estrutura de camarins e bares, é trabalhosa e detalhista para que o público curta bem e com segurança todo o espetáculo. Já pensou que, por exemplo, no show do Rei são mais de mil cadeiras que vêm em até três caminhões empilhadas para se tornarem "plateia"?

A reportagem do Gazeta Online foi atrás das superproduções desses verdadeiros espetáculos para mostrar um pouco do trabalho que é feito e, constatou: o palco de um rei não cai do céu. Nesse caso, ele "cai" das mãos de mais de 250 pessoas que estão empenhadas em deixar toda a estrutura do palco e camarim do Roberto Carlos, até o fim desta sexta-feira (13), pronta para receber o Rei e seus súditos. 

Aliás, até o camarim de Roberto veio de São Paulo. A estrutura veio toda montada por uma preferência do cantor, cujo quarto de hotel também sofreu mudanças na decoração para atender ao gosto do capixaba. A informação da troca de cortinas foi dada com exclusividade pela coluna Zig Zag, assinada pela jornalista Renata Rasseli.

Mas, quem é que toma conta de tudo isso? Givaldo Barros, no auge de seus 78 anos, é quem há 53 anos coordena toda a montagem dos espetáculos de Roberto Carlos. Ele chegou à Capital na manhã desta sexta-feira (13) e foi direto para a Arena Vitória, em Bento Ferreira, onde o cantor se apresenta neste sábado (14) e domingo (15).

"Começaram pelas cadeiras, a arquibancada está sendo lavada. Agora à tarde vamos nos dedicar ao palco e camarim", detalha ele, afirmando que o telão que ficará atrás de Roberto, por exemplo, terá quatro metros de largura e três de altura.

Givaldo Barros, que trabalha com Roberto Carlos há 53 anos, é quem coordena os trabalhos de montagem de palco e camarim do rei há décadas
Foto:Pedro Permuy
Givaldo Barros, que trabalha com Roberto Carlos há 53 anos, é quem coordena os trabalhos de montagem de palco e camarim do rei há décadas

Ele ainda tem que dar conta de todos os instrumentos dos mais de 20 músicos que acompanham Roberto, que devem estar a postos dos profissionais horas antes do show para a passagem de som. Givaldo ainda destaca que Roberto não tem exigências que são consideradas extraordinárias.

"É só mesmo o perfeccionismo que ele pede", alerta. Em contrapartida, Givaldo garante que os anos que é amigo do cantor lhe renderam muito conhecimento acerca do que ele gosta - e deixa de gostar. "Aí fica mais fácil (risos). Sabendo do que ele gosta eu já faço o máximo para chegar o mais próximo disso", brinca.

VÍDEO | A reportagem do Gazeta Online teve acesso exclusivo à área onde vão acontecer os shows de Roberto Carlos. Assista:

VILLAMIX ENVOLVE 850 PESSOAS

O Espírito Santo, mais precisamente a Serra, será palco para mais um VillaMix, que também acontece na noite deste sábado (14), no Pavilhão de Carapina. As várias atrações que fazem parte do festival deste ano pedem que, aproximadamente, 850 pessoas se dediquem a toda a logística do evento. 

Segundo Itagildo, as pessoas que trabalham por trás do espetáculo são dividas entre algumas tarefas: "350 pessoas desse montante, por exemplo, são só seguranças e do apoio operacional. Outros 250 são só para ficarem por conta dos bares", revela.

De acordo com Itagildo Marques, que há três anos é quem toma conta dessas tarefas de pessoal e montagem do festival no Espírito Santo, usa a experiência que tem há mais de 20 anos nesse mercado para deixar tudo pronto o quanto antes. "No caso do VillaMix deste ano, a estrutura está pronta há cerca de uma semana", afirma. Desta vez, dezenas de caminhões trouxeram as estruturas que dão vida ao palco único do festival e às áreas da plateia cobertas, como camarotes, áreas VIP e backstage. 

Ele destaca que as obras para arrumação da estrutura, no entanto, começaram há um mês. "São três empresas que participam da montagem geral de todos os palcos e camarotes. Começamos pelos camarins e terminamos, no início desta semana, com a colocação das coberturas nas áreas que são cobertas", conclui. 

Para Itagildo, é comum que tenha esse tempo de "folga" entre montagem e execução do evento para que sejam emitidos os documentos e alvarás necessários para manter a segurança do espetáculo. "Não corre risco de nada", enfatiza. 

 

 

Compartilhe



Mais no Gazeta Online