O som melancólico do blues do guitarrista capixaba Aroldo Sampaio

O músico capixaba lança seu oitavo álbum, "Born to be Blue" já prepara outros lançamentos

Publicado em 16/08/2018 às 11h51

Foto: João Augusto/Divulgação
Com mais de 20 anos de carreira, Aroldo lança seu oitavo álbum

Aroldo Sampaio faz uma ode à melancolia e ao blues em seu novo álbum, “Born To Be Blue”. As treze faixas do oitavo disco instrumental do guitarrista (e primo de Sérgio Sampaio) possuem a tristeza como ponto comum. “Esse disco tem uma espécie de conceito que tem a ver com o título, ele nasceu pra ser triste. Observei que normalmente os compositores pincelam suas músicas lentas nos discos, colocam apenas duas ou três. Eu peguei todas as músicas tristes e melancólicas que compus e coloquei tudo no mesmo disco em vez de diluir ao longo de vários”, define Aroldo.

São canções inéditas feitas de 2014 até 2018 em seu estúdio – gravados ali mesmo. Aroldo é acompanhado pelos músicos e parceiros que fizeram parte de sua carreira ao longo desses 20 anos: Ronnie Silveira, Juba, Marcos Tadeu, Ângela Volpato, e Maycon Costa, da banda Pink Flaming.

“Torre de Babel”, “Ensaio Sobre a Cegueira” e “ Improvisando às 3AM” são alguns dos títulos curiosos de algumas faixas do álbum. “Comigo não existe um padrão. Às vezes crio um título e faço a música, às vezes crio a música e deixo sem título até encontrar um. Vejo algo ou leio algum livro e penso que tem a ver com aquela música. ‘Ensaio Sobre a Cegueira’ era uma canção que estava pronta, tinha outro título, mas revi o filme, vi que tinha uma conexão, e decidi renomeá-la” , conta.

Natural de Cachoeiro de Itapemirim, Aroldo carrega como principais influências Jimmy Page e David Gilmour. Atualmente o músico toca com a banda Black Katz, que faz releituras de clássicos do Rei Roberto Carlos e se apresenta seu trabalho autoral com o Aroldo Sampaio Trio. O primo Sérgio Sampaio embala os shows de outro projeto de Aroldo, o Cabine 65, sua banda dedicada a releituras da obra do parente.

Recentemente Aroldo começou a se interessar por fotografia. Ao todo, 60 fotografias de sua autoria ilustram o encarte de “Born To Be Blue”. “É uma forma de incentivas as pessoas voltarem a olhar o encarte voltar a olhar o encarte, algo que foi perdido ao longo do tempo”, diz.

Em paralelo ao lançamento do novo CD, Aroldo trabalha nos álbuns “Instrumental Volume 2”, um disco de tributo a Sérgio Sampaio, com releitura de 20 músicas dele, e “Singular Olhar Plural Volume 3”. “O processo nunca para, é eterno. Acabei de fazer este e já estou fazendo mais vários ao mesmo tempo. Tenho um estúdio de ensaio e gravação, então sigo compondo e gravando”, diz o cachoeirense.

Uma das fotos que integram o encarte do CD "Born To Be Blues"
Foto:Aroldo Sampaio/Divulgação
Uma das fotos que integram o encarte do CD "Born To Be Blues"

Born To Be Blue

Aroldo Sampaio

Independente, 13 faixas. R$ 15. À venda no Restaurante Mourad’s em Cachoeiro.

Compartilhe



Mais no Gazeta Online