Saiba a diferença entre joias, semijoias e bijuterias

Além do preço diferenciado, cada um desses itens tem características próprias

Publicado em 15/08/2018 às 11h51

Atualizado em 15/08/2018 às 13h32

Joias da designer Ane Zorzanelli
Foto:Reprodução/Instagram @anezorzanelli
Joias da designer Ane Zorzanelli

Todo mundo já tem criada uma imagem de como é uma joia. A ideia, que vem dos filmes, da literatura e das vitrines mais caras de qualquer shopping da cidade, vem acompanhada de luxo e glamour personificados em alguns gramas de ouro e pedras preciosas. Mas, como não é todo mundo que pode viver nessa ostentação, o mercado se encarregou de criar as semijoias e bijuterias. Mais acessíveis, esses outros acessórios alternativos à joia ganham ainda mais versatilidade e mais adeptos.

Mas, como identificar cada um desses produtos? Bom, não é sempre que um olhar clínico de um comprador vai conseguir diferenciar o que é ouro do que é uma liga de metal banhada. Ou então, o que é água marinha e o que é uma pedra sintética. No entanto, existem algumas dicas para identificar a diferença.

Para a designer Ane Zorzanelli o principal a ser observado é, justamente, a pureza das gemas. "A qualidade da joia é incomparável com a de outros produtos. É nisso que o consumidor precisa ficar atento", acredita.

De acordo com ela, uma das formas menos complicadas de identificar essa característica é observando as pedras que são usadas. Em alguns casos, segundo a designer, o peso, a cor e a dureza das gemas pode ser um indício de que ela é sintética.

Muitas vezes, os "clones" são mais leves, com cores mais vibrantes ou leitosas que às originais e menos duras, isto é, mais irregulares e menos uniformes. No geral, o aspecto da peça também pode "denunciar" sua qualidade.

Nas partes metálicas, vale observar o quão lisa é a superfície, bem como o brilho da peça. Um metal mais opaco ou com alguma aspereza pode indicar falta de pureza. Por definição, podemos pensar que a joia é o mais puro, a semijoia é o intermediário e a bijuteria é, na maioria das vezes, a imitação.

No caso das semijoias, em alguns casos, é até possível que ela tenha uma pedra natural, mas a sua liga metálica será uma mistura, que será apenas banhada a ouro. Já as bijuterias, não tem jeito, é o material de imitação para quem quer ter apenas o estilo, sem se preocupar com ostentação ou até mesmo assaltos.

Colar exclusivo de ouro branco, turmalinas paraíbas e diamantes, do designer Dorion Soares
Foto:Reprodução/Instagram @dorionsoaresoficial
Colar exclusivo de ouro branco, turmalinas paraíbas e diamantes, do designer Dorion Soares

JOIA COMO INVESTIMENTO

Ane diz que atualmente muita gente compra uma joia como forma de investimento, e que essa transação é, sim, vantajosa por conta da valorização comercial dos metais e das pedras preciosas. O metal já foi considerado o melhor investimento por economistas, que também alertam que é preciso ter cautela. No Brasil, o ouro para investimento pode ser comprado em forma de joia ou em lotes por meio da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F).

Para as compras em joias, o joalheiro Dorion Soares detalha que as peças mais procuradas são atemporais, emblemáticas, com design marcante e (muito) valor agregado. "Quanto mais rara for a pedra que está na peça, mais ela vai ser rentável para esse tipo de transação", revela ele, que alega ter uma carteira de clientes que se dedicam a estas compras. "Esse cliente quer uma joia que tenha um valor que se sustente e que tenha uma história que possa ser levada em conta. Uma peça exclusiva, então, é mais valorizada", completa.

COMBINAÇÕES DEMONSTRAM AUTOCONFIANÇA

Se por um lado, se limitar a usar uma joia pode ser sinônimo de bolso cheio, por outro, usar uma bijuteria pode significar autoconfiança. Para a consultora de imagem Iara Quaresma, essas misturas dão ao look mais personalidade. "Hoje o estilo 'hi-lo' ganhou muito espaço porque consiste em misturar peças luxuosas com outras mais descoladas e até meio esportivas. O cuidado, nesse caso, é apenas quando a ocasião exige um dress code mais rígido", defende.

Ela diz que a dica maior é seguir seu estilo pessoal, já que os acessórios devem transmitir um pouco das próprias características. "Acessório comunica personalidade. Se você for uma pessoa mais criativa, use cores mais intensas e contrastantes. O verde, por exemplo, fica lindo com o rosa", exemplifica, finalizando: "Quanto ao tom da pele, mulheres com coloração quente harmonizam mais com dourado, enquanto as mulheres com coloração fria harmonizam com o prata".

Compartilhe



Mais no Gazeta Online