Orquestra Sinfônica do Espírito Santo apresenta "O Universo Mahler"

Músicos tocam a Sinfonia nº5 do austríaco Gustav Mahler e o Concerto para Trompa nº4 de Mozart, regidos pelo maestro Helder Trefzger

Publicado em 25/09/2018 às 19h16

Atualizado em 25/09/2018 às 19h17

Foto: Kristina Gonçalves
Helder Trefzger é maestro titular da Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo

Executar a monumental “Sinfonia nº 5”, do austríaco Gustav Mahler, é para poucas e boas orquestras no Brasil e no mundo. Entre elas, a Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo, sob a regência do seu Maestro Titular, Helder Trefzger, que apresenta “O Universo Mahler” nos dias 26 e 27 de setembro, no Sesc Glória.

“Depois de Beethoven, Mahler talvez seja o maior sinfonista. Ele escreveu dez sinfonias (a décima é incompleta, mas existe) e elas são complexas porque são mais longas e têm uma orquestração muito maior, exigem orquestras maiores. São difíceis de se tocar, não é qualquer orquestra que toca. É um marco para qualquer orquestra e maestro. Uma ou duas orquestras no Brasil tocam todas as sinfonias. Nós tocamos algumas, como a nº 5. É um repertório ‘de gente grande’, digamos assim”, explica Helder.

A apresentação da sinfonia tem duração de 70 minutos e conta com quase 90 músicos no palco. “Foram 11 ensaios. Geralmente acontecem cinco a seis antes dos concertos”, pondera o maestro.

Durante a execução desta sinfonia, toda orquestra trabalha muito, algo comum nas composições de Mahler. São cinco movimentos. A composição parte de um primeiro movimento trágico, uma marcha fúnebre, e termina com o último movimento como um canto de alegria. A transição é psicologicamente intensa, um desafio também para o regente.

“O maestro precisa acompanhar essa mudança de clima o tempo todo. É emocionante, de tirar o fôlego. Tem momentos de grandiosidade e outros momentos de melodias supersuaves. O Mahler mexe com o psicológico das pessoas”, diz Helder.

Mas a apresentação se inicia com outra composição, o “Concerto para Trompa n º 4”, escrito por Mozart. O destaque nesse concerto é a participação do solista da noite, o trompista Luiz Garcia. Luiz é de São Paulo e toca ao lado da Orquestra Sinfônica do Estado do Espírito Santo pela terceira vez – ele é convidado frequente como músico extra da Orquestra Filarmônica de Berlim e da Orquestra Sinfônica de Chicago.

Pela primeira vez o Concerto, com cerca de 15 minutos, e a sinfonia são apresentados na mesma programação. “Luiz Garcia é fantástico, fenomenal. Juntá-lo com o Mahler agregou muito para gente”, orgulha-se o maestro.

O Universo Mahler

Com Orquestra Sinfônica do ES

Quando: 26 e 27 de setembro, às 20h.

Onde: Sesc Glória. Av. Jerônimo Monteiro, 428, Centro, Vitória.

Quanto: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia). Ingressos podem ser adquiridos com antecedência na bilheteria do Teatro.

Informações: (27) 3232-4750

Compartilhe



Mais no Gazeta Online