Vitória Rock Festival classifica mais três nomes para a finalíssima

Terceira etapa da segunda edição do festival foi realizada no último sábado, em Vitória

Publicado em 16/09/2018 às 14h40

Atualizado em 17/09/2018 às 08h55

Show da 1ª etapa Vitória Rock Festival 2018 rolou  em abril
Foto:Ciro Trigo/Divulgação
Show da 1ª etapa Vitória Rock Festival 2018 rolou em abril

(Por Carolina Wassoller Entringer e Gilson Arão, do Curso de Residência de Jornalismo)

A terceira etapa do Vitória Rock Festival, que está em sua segunda edição, possibilitou mais de dez horas intensas de muito rock n’roll nesse sábado (15). O evento teve a participação de várias bandas que se apresentaram durante o festival, que terá sua finalíssima em dezembro. Ao final da etapa do último sábado, o autoral André Prando e as covers Everlong (Foo Fighters) e Quintal Selvagem (The Police) se classificaram para a final. 

As bandas nesta edição se dividiram em duas categorias de apresentação. A primeira categoria recebeu o nome de King Of Cover e contou com a inscrição de bandas cover de rock. A segunda categoria, Original Band, colocou na disputa bandas autorais capixabas. Duas bandas, autorais ou covers, serão premiadas com uma moto Harley-Davidson Iron 883, avaliada em R$ 43.000,00.

André Prando foi um dos vencedores da etapa e está classificada para a finalíssima
Foto:Guilherme Ferrari
André Prando foi um dos vencedores da etapa e está classificada para a finalíssima

Segundo Diego Perim Lobato, diretor da Vitória Harley-Davidson e organizador do evento, a festa tem tido um papel importante: “O evento nasceu de um desejo de aproximar a marca da comunidade e o rock'n'roll foi o caminho, mas hoje a festa transcendeu isso e também tem o propósito maior de estimular, fortalecer e engrandecer a cena do rock capixaba”, afirmou.

Para Jailer Lage, engenheiro de produção e vocalista da banda Yellow, que estava concorrendo na categoria King of Cover com canções do Coldplay, a iniciativa privada tem um papel primordial para elevar o rock capixaba: “estamos vendo aqui um evento cuja estrutura é comparável à do show do Paul McCartney (ocorrido em novembro de 2014 em Cariacica) e todo voltado para as bandas daqui. Isso é primordial para consolidar as bandas capixabas, tantos autorais quanto as de cover”, concluiu.

Nesta etapa do festival, 11 bandas se apresentaram. Concorriam na categoria de cover: Dona Fran (Led Zeppelin), Everlong (Foo Fighters), Beast Sides (Iron Maiden), Pink Flaming (Pink Floyd), Quintal Selvagem (The Police) e Yellow (Coldplay) e as bandas autorais: 5 Nós, The Devils, André Prando e Riffbiller. A festa contou também com a Banda Símios, como convidada especial. O grupo, que teve seu auge no final dos anos 1990 e início dos anos 2000, agitou a galera no fim da noite.

Público vai ao delírio com apresentação da Beast Sides, banda cover do Iron Maiden. Vídeo: Carolina Wassoller Entringer.

Quintal Selvagem foi classificada com covers do The Police
Foto:Reprodução Facebook Quintal Selvagem
Quintal Selvagem foi classificada com covers do The Police

Muita gente aproveitava os shows de maneira descontraída ao som de canções memoráveis. A professora Claudia Marriel, fã incondicional da banda Guns N' Roses, creditou sua confiança no evento mais uma vez. A afeição dela pelo rock ficou evidente: “este é o segundo ano que venho acompanhada de amigas, é um ambiente de pessoas maravilhosas e é um espaço de família mesmo”, conclui.  

O administrador Alécio Salazar, participante do evento, salientou que iniciativas em prol da cultura do rock merecem uma atenção e apoio por parte de quem gosta de socializar. "O rock tem o seu espaço e o seu público e ele precisa de mais eventos como este que promova a sua integração social, pois só assim ele será mais valorizado como outras músicas. Estou muito satisfeito”.

O evento, além de muita música, contou com espaço kids, simulador de pilotagem de uma Harley, estande com tatuadores, praça de alimentação, um estande com instrumentos disponíveis para que o público tocasse, entre outros, oferecendo às pessoas que tiveram lá muito mais do que shows de rock, e, sim, uma experiência de fato.

 

 

 

 

Compartilhe



Mais no Gazeta Online