Criador do Woodstock confirma edição de 50 anos do festival

Aos 74 anos, Michael Lang espera reunir um público de várias gerações e também transmitir uma mensagem de ativismo social

Publicado em 11/01/2019 às 11h20

Foto:Barry Levine/Reprodução/Instagram @woodstock

Amon Borges, de São Paulo - Uma nova edição de Woodstock foi confirmada por um de seus criadores. Para celebrar os 50 anos do evento, Michael Lang anunciou um festival de três dias (16, 17 e 18 de agosto) em Watkins Glen, no estado de Nova York.

O lineup do Woodstock 50 ainda não foi definido mas, segundo Lang, haverá ao menos cerca de 40 atrações divididas em três palcos principais -incluindo grandes bandas.

"Será um evento eclético. Terá hip-hop, rock, pop e um legado das bandas do festival original", afirmou à revista Rolling Stone. Haverá, por exemplo, tributos a Janis Joplin e Joe Cocker, grandes nomes da primeira edição em 1969.

Aos 74 anos, Michael Lang espera reunir um público de várias gerações e também transmitir uma mensagem de ativismo social. "Queremos ser algo mais do que apenas ir a um show", disse em entrevista ao New York Times.

Segundo a Rolling Stone, a organização não vai divulgar nomes do linep até que a venda de ingressos comece em fevereiro.

Criado pelo quarteto John Roberts, Joel Rosenman, Artie Kornfeld e Michael Lang, Woodstock foi realizado de 15 a 18 de agosto de 1969, atraiu cerca de 400 mil pessoas a uma fazenda em Bethel (norte do estado de Nova York) e se tornou um dos principais eventos culturais e sociais da história.

Leia também

Entre as mais de 30 bandas, estavam atrações como Jimi Hendrix, The Who e Joan Baez, além de Janis Joplin e Joe Cocker.

À época, os Estados Unidos debatiam intensamente temas como a guerra do Vietnã, a liberação sexual e as drogas.

OUTRA CELEBRAÇÃO

Em dezembro, a produtora Live Nation em parceria com o Bethel Woods Center For The Arts também divulgou um festival para comemorar os 50 anos do Woodstock.

Será o Bethel Woods Music and Culture Festival, também de 16 a 18 de agosto de 2019, no mesmo local onde a primeira edição se desenrolou -cerca de 200 km da cidade de Nova York.

Além de música, haverá palestras, debates e o museu de Bethel Woods estará aberto para contar a história da década de 1960 com uma experiência imersiva e objetos da primeira edição do festival.

Compartilhe



Mais no Gazeta Online