"Inovação é a tônica da nova gestão", diz diretor-geral da Fames

Pianista e doutor em Música, Fabiano Araújo fala sobre os projetos e os desafios como novo diretor-geral da Faculdade de Música do Espírito Santo

Publicado em 06/03/2019 às 16h22

Diretor-Geral da Fames, Fabiano Araújo Costa começou a tocar piano aos 12 anos e é doutor pela Universidade de Paris-Sorbonne
Foto:Vitor Jubini
Diretor-Geral da Fames, Fabiano Araújo Costa começou a tocar piano aos 12 anos e é doutor pela Universidade de Paris-Sorbonne

O pianista Fabiano Araújo possui um currículo invejável não só como músico, mas também acadêmico. Doutor em Música pela Universidade de Paris-Sorbonne, na França, atuou desde 2008 como professor de Harmonia e Musicologia na Ufes. Ele agora assume um novo desafio como diretor-geral da Faculdade de Música do Espírito Santo.

Pianista desde os 12 anos, já tocou ao lado de grandes nomes da música nacional e internacional e possui quatro álbuns lançados, “O Aleph” (2006), “Calendário do Som – 9 dias” (2009), “Rheomusi” (2011), em trio com Arild Andersen e Naná Vasconcelos, e “Baobab Trio” (2012), nome da banda quem tem ao lado de Edu Szajnbrum e Wanderson Lopez.

Mas por pouco sua vida não tomou outro rumo. Depois de quatro anos no curso de Engenharia da Ufes, Fabiano decidiu largar o curso para estudar música na Unicamp. “Foi a melhor decisão que tomei na minha vida. Teoricamente seria um risco mas tudo fluiu para dar certo a partir daí”, resume.

CONVITE

“Veio do secretário da Educação do Espírito Santo, Vitor de Angelo, no final de dezembro. Depois de refletir e entender o lugar da Ufes, da Fames e do Espírito Santo no cenário nacional, acredito que é o momento de me dedicar e contribuir”.

Para Fabiano, chegou a hora de apostar na tecnologia. “Inovação é a tônica da nova gestão. A primeira coisa que detectei é a necessidade de implementação de um sistema acadêmico, com a ajuda da tecnologia. A faculdade já começou a fazer parcerias, como por exemplo com a Prodest (Instituto de Tecnologia da Informação e Comunicação do Estado do Espírito Santo). Com a ajuda da tecnologia a faculdade fica mais ágil, pode alcançar mais longe e vamos ter mais visibilidade. A visibilidade hoje é na rede e isso demanda um dever de casa em termos de implementação de tecnologia e atualização, esse é o nosso foco inicial”.

UNIFICAÇÃO

“O pensamento unificado é outro ponto que queremos. Pesquisa, ensino e extensão devem caminhar juntos. A Fames já se destaca pela extensão, mas precisa reforçar o ensino através da pesquisa. Existe um foco na parte da Licenciatura, o foco na educação. O projeto é trazer pesquisas e pensamentos inovadores, ver como se faz música hoje. Atualmente não existe essa dicotomia de música erudita e música popular. Grandes conservatórios já estão com essa mentalidade. Vamos trazer especialistas para conversar sobre isso. Buscar convênios com Ufes, com a Secretaria da Cultura e melhorar o percurso que os próprios estudantes já estão fazendo por conta própria, algo que nós gestores podemos ajudar. Precisamos compreender o mundo de hoje, a música já está sendo feita de outra forma. Mas não é um momento de banalização, a tradição não pode se perder. É uma troca de conhecimento dessas referências.” 

Precisamos compreender o mundo de hoje, a música já está sendo feita de outra forma. Mas não é um momento de banalização, a tradição não pode se perder
Fabiano Araújo, diretor-geral da Fames

EMPREENDER

“Pensamos também na autonomia dos músicos. Queremos que eles se vejam como empreendedores. Por exemplo, o destino não tem que ser sempre entrar em uma orquestra, ele pode criar sua própria orquestra. Queremos trabalhar muto isso para que a música no Espírito Santo vire uma profissão interessante, dinâmica, com muito potencial de empreendedorismo, sempre pensando nas novas interfaces.”

ES E BRASIL

“Existe o cenário nacional e o cenário estadual. Aqui no Espírito Santo vejo que é diferente, a cultura e educação são carros-chefes. O Espírito Santo está em um momento de ser protagonista da região Sudeste. Estamos com fôlego e queremos protagonizar”.

Compartilhe



Mais no Gazeta Online