Banda Los Hermanos está de volta e faz show em Vitória

Último show da banda no Espírito Santo aconteceu em 2012. Em entrevista, Bruno Medina fala sobre o retorno do grupo

Publicado em 29/04/2019 às 07h45

Atualizado em 29/04/2019 às 07h49

Foto: Caroline Bittencourt
Los Hermanos

De tempos em tempos a banda Los Hermanos surpreende seus fãs com uma turnê de retorno. Depois de 2007, ano em que anunciou a pausa, a banda já se reuniu em 2012, 2015 e este ano decidiu cair na estrada mais uma vez. Vitória ficou de fora da turnê em 2015, mas recebe no dia 30 de abril o reencontro de Marcelo Camelo, Rodrigo Amarante, Bruno Medina e Rodrigo Barba na Área Verde do Álvares Cabral.

Em entrevista ao Gazeta Online, o tecladista Bruno conta mais detalhes da turnê e do lançamento da canção “Corre Corre”, o primeiro single do grupo depois de 14 anos.

Por que vocês decidiram se reunir mais uma vez?

Todas as vezes que aconteceu de nos reunirmos foi de forma espontânea e não planejada, quer seja a partir do convite pra um show bacana – que desencadeou a sequência dos demais shows – ou a partir de um encontro informal nosso, no qual a ideia surgiu. A turnê atual, por exemplo, foi idealizada no início de 2017, quando, por coincidência, todos nós estávamos simultaneamente no Rio. Papo vai, papo vem, alguém falou: “e se fizéssemos mais uma?”. Depois foi só acertar os calendários e cá estamos.

Como é a sensação do reencontro no palco?

Está sendo ótimo! Estar com a banda tem sido muito emocionante e divertido. Acredito que essa seja uma das principais vantagens desses encontros pontuais; sempre que eles ocorrem é porque coincidem com um momento favorável para todos os integrantes.

Como vai ser o setlist do show em Vitória?

Nenhuma banda com mais de 20 anos de história pode fugir de passar por seus principais discos. Normalmente tentamos conciliar as músicas que gostamos de tocar com o repertório que tradicionalmente agrada mais ao público.

Você seguiu carreira na comunicação e tecnologia. Qual espaço a música tem na sua vida hoje?

Sim, atualmente sou diretor da área digital de uma consultoria global de inovação e tecnologia. Quando a banda parou de tocar assiduamente, eu quis me dedicar a algo completamente diferente, ter uma experiência profissional fora da música. Essa carreira “paralela” me deixa com pouco tempo para a música, para ser sincero. De certo modo, gosto que a minha experiência com a música seja majoritariamente com o Los Hermanos, afinal tivemos muita sorte de ter chegado até aqui da forma que chegamos. Tenho muito orgulho dessa história.

Depois de 14 anos vocês lançaram uma nova música. Como essa canção tomou forma?

Quando o Marcelo compôs a música “Corre Corre”, considerou que ela tinha “cara” de Los Hermanos, mas na ocasião ainda não havia nenhum plano de lançar material inédito com a banda. A partir de quando se iniciaram as conversas sobre os preparativos dessa turnê, ele nos apresentou a música e imediatamente nos apaixonamos. Decidimos que valeria a pena tentar fazer um arranjo quando estivéssemos todos juntos no Rio. Como nos adiantamos nos ensaios, surgiu a oportunidade de entrar em estúdio e gravar, e foi isso que fizemos.

E com essa nova música, existe alguma ideia de quem sabe lançar um álbum novo?

Não existe nenhuma conversa nesse sentido. Hoje moramos em três países distintos (Amarante nos EUA, Camelo em Portugal, Medina e Barba no Brasil), alguns têm filhos, e ainda é preciso honrar compromissos das escolhas profissionais que vieram depois da banda. Nosso foco está mais em vivenciar de maneira plena esses encontros.

Existem muitos fãs novos, incluindo pessoas que eram bem jovens quando a banda estourou. Como explicam esse fenômeno mesmo sem lançar algo novo?

Essa é uma pergunta difícil de responder. Realmente não conseguiríamos realizar uma turnê aos moldes desta se não tivesse havido uma renovação significativa do público. Desde 2005 não existe um trabalho efetivo no sentido de divulgar a obra da banda, o último lançamento foi o DVD ao vivo, em 2007, portanto só posso acreditar que esses novos fãs chegaram até nós através dos pais, dos irmãos mais velhos, dos professores que por vezes trazem nossas músicas pra dentro das salas de aula. Seja por que razão for, essa constatação nos deixa muito satisfeitos, porque nos leva a acreditar que fizemos músicas que de fato ressoam na vida das pessoas.

SERVIÇO

Los Hermanos

Quando: 30 de abril, abertura do portão às 19h.

Onde: Área Verde do Álvares Cabral. Av. Mal Mascarenhas de Moraes, 2110, Bento Ferreira, Vitória

Ingressos: R$ 180 (2º lote inteira frontstage), R$ 320 (2º lote inteira lounge), R$ 90 (2º lote PCD meia). Assinantes de A GAZETA têm 50% de desconto no valor da inteira. Ingressos à venda na loja Fast Nutri e no site www.eventim.com.br

 

 

Compartilhe



Mais no Gazeta Online