Petrobras corta patrocínio ao Festival de Cinema de Vitória

Estatal cortou apoio a outros 12 projetos no país, como o Anima Mundi

Publicado em 15/04/2019 às 12h37

Atualizado em 15/04/2019 às 16h21

Dia de programação do 25º Festival de Cinema de Vitória no Teatro Carlos Gomes, no Centro
Foto:Acervo Galpão Produções - IBCA/Divulgação
Dia de programação do 25º Festival de Cinema de Vitória no Teatro Carlos Gomes, no Centro

O Festival de Cinema de Vitória perdeu seu principal patrocinador. A Petrobras está colocando em ação o Plano de Resiliência, anunciado em março deste ano, e cortou o seu apoio ao evento capixaba e a outros 12 projetos culturais no país.

"Recebi a notificação, na verdade, na sexta-feira. Recebi o e-mail oficial avisando do corte com muita tristeza. O festival é patrocinado há 21 anos pela Petrobras. Já estou com o festival em andamento, com as inscrições abertas pois você acaba contando com o patrocínio. Não sei nem por onde iniciar os cortes. É uma situação muito difícil e triste", conta Lucia Caus, diretora do Festival de Cinema de Vitória.

Segundo a rádio CBN, que teve acesso ao documento enviado a deputados federais, a lista de cortes inclui três dos principais festivais de cinema do país: a Mostra de Cinema de São Paulo, o Festival do Rio e o Anima Mundi, o maior festival de animação da América Latina.

O corte no orçamento do Festival de Cinema de Vitória é de R$ 250 mil. Por nota, a Petrobras disse que "segue realizando apoio a projetos culturais" e que devido ao Plano de Resiliência não renovou os contratos. "Os contratos vigentes estão em andamento e com seus desembolsos em dia", disse a empresa. 

"Vou começar a pensar nos cortes até porque não é só a Petrobras. O BNDES também deve estar nesse quadro de cortes, apesar de eu não ter recebido nenhum e-mail oficial deles. Estou contando com o governo e a prefeitura. Espero que eles ajudem", conta Lucia, na esperança de conseguir realizar o evento sem cortes.

Leia também

Lucia explica que o problema não é maior porque a ArcelorMittal fechou uma cota de apoio para este ano. "Tenho a ArcelorMittal neste ano, mas que não cumpre com o valor total do festival, que é grande parte patrocinado pelo BNDES e a Petrobras. Se não acontecer a volta destes patrocínios, terei que fazer o corte", explica.

Agora a diretora pensa no ano que vem. "Acredito que essa situação seja revertida. São 21 anos de apoio. Como que agora chega e corta? E é um projeto que tem resultado. É um valor significante para Vitória", lamenta Lucia.

A Petrobras foi procurada para falar sobre o corte de patrocínios e se existe alguma possibilidade de apoio ao Festival de Cinema de Vitória. Em resposta, a empresa completou dizendo que "está revisando sua política de patrocínios para readequar seu orçamento e em alinhamento ao posicionamento de marca da empresa, com intenção de maior foco nos segmentos de ciência & tecnologia e educação, principalmente infantil."

Compartilhe



Mais no Gazeta Online