Sem acordo, Miss Brasil pode não acontecer em 2020

A emissora oficial do concurso e a empresa patrocinadora não estão se entendendo muito bem

Publicado em 18/04/2019 às 08h41

Em processo de renegociação, a Polishop e a Band podem não renovar a parceria para a realização dos próximos concursos para escolha da Miss Brasil. Segundo fontes próximas às empresas, até o momento, não há um acordo entre as partes, e há muitas chances de ele não acontecer.

A Miss Brasil 2019, Júlia Horta
Foto:William Volcov/Reprodução/Instagram @williamvolcov
A Miss Brasil 2019, Júlia Horta

Caso a parceria não siga, o concurso, que leva uma brasileira à disputa do Miss Universo, dependeria do interesse de outra empresa para acontecer em 2020. Atualmente, a Band é a detentora do direito da franquia do Miss Universo no Brasil.

As empresas firmaram, em 2014, um contrato de cinco anos, renováveis por mais cinco. Desde então, o certame adotou a alcunha de Miss Brasil Be Emotion, para promover a linha de cosméticos da Polishop.

Em entrevista exclusiva à Folha, em março deste ano, o dono da rede de varejo, João Appolinário, afirmou que a empresa tinha interesse na renovação e que investiu R$ 35 milhões na disputa. 

Leia também

"Conseguimos melhorar a imagem do concurso, que voltou a ter o glamour de antes, além de alcançar a exposição esperada da marca Be Emotion. A renovação deve começar a ser discutida com a Band agora, depois de concluirmos o evento da final. Mas, a princípio, do nosso lado deve se renovar sim", disse o empresário na ocasião.

A Polishop teria investido de R$ 6 milhões a R$ 8 milhões por ano no concurso, de acordo com Appolinário na época. Só com o evento da final deste ano e suas etapas, foram gastos entre R$ 3 milhões e R$ 4 milhões. 

Cinco misses foram eleitas para o posto durante o período. A jornalista e influenciadora digital mineira Júlia Horta, 24, é a atual detentora da coroa, e conquistou o título em março deste ano, durante a 65ª edição do Miss Brasil. Firme, segura e desembaraçada, Horta conquistou o júri e o público com discurso feminista, politizado e social. 

As outras vencedoras da "era Polishop" são a amazonense Mayra Dias (2018), a piauiense Monalysa Alcântara (2017), a paranaense Raíssa Santana (2016) e a gaúcha Marthina Brandt (2015).

DESAFIOS DA ERA POLISHOP

A Polishop encontrou muitos desafios na realização do evento. Entre eles estavam a lisura de cada etapa e monetizar os eventos. Entre as mudanças, a final do Miss Brasil passou a ser realizada em uma das convenções nacionais de vendedores e associados da Polishop, para aproveitar a estrutura e, de certa forma, economizar.

Chamada de "era Polishop" pelos especialistas do setor, as disputas comandadas pela empresa, inclusive a deste ano, não tiveram venda de ingressos para o público e contaram apenas com a "turma do João" na plateia: um público estimado em 15 mil pessoas, que se empolga e torce pelas conterrâneas que desfilam.

Com 3.500 funcionários diretos e mais de 200 mil vendas por mês, a Polishop foi fundada no ano 2000 e atualmente é a maior empresa multicanal do mundo e opera por meio de uma grande rede de comunicação, distribuição e vendas, que incluem quase 300 lojas físicas, e-commerce, TV, catálogo de produtos e contact center.

 

Compartilhe



Mais no Gazeta Online