Batman, o Homem-Morcego, completa 80 anos

Um dos maiores heróis da DC Comics, o Cavaleiro das Trevas estreou nos quadrinhos em 1939 e fez história nas HQs e no cinema

Publicado em 19/05/2019 às 08h29

Batman
Foto:Divulgação/Dc Comics
Batman

Por mais jovem que pareça nos filmes, livros e quadrinhos, o Batman – ou só Bruce Wayne sem o famoso uniforme – é agora um octogenário. O personagem fez sua primeira aparição na revista “Detective Comics #27”, em abril de 1939, apesar de, na capa da HQ vir exposto o mês de maio. Na época, as datas impressas nas publicações podiam ser de até três meses de diferença. Mesmo assim, vale contar aqui os acontecimentos que marcaram o Homem-Morcego nos quadrinhos durante esses 80 anos.

Detective Comics ENTITY_sharp_ENTITY27
Foto:Divulgação/Dc Comics
Detective Comics ENTITY_sharp_ENTITY27

Criado por Bob Kane, o Batman é uma mistura de referências do autor com pedidos editoriais feitos pela DC. Um desses pedidos foi que o personagem fosse parecido com um dos maiores sucessos da editora, o Superman: assim, surgiu a ideia de dar asas ao herói. Para deixar as asas críveis, Kane se baseou no desenho de um dos projetos de Leonardo da Vinci, o Ornitóptero, máquina semelhante a um morcego. Dessa forma, surgiu a ideia de ligar esse novo personagem ao animal.

O personagem Zorro, criado em 1919, também influenciou muito o herói, inspirando Kane na escolha das cores (cinza e preto) e nos desenhos. Já para compor a personalidade de Batman, o autor bebeu muito dos livros do detetive Sherlock Holmes, de Sir Arthur Conan Doyle, e do quarto mosqueteiro, D’Artagnan, trazendo seu lado aventureiro para o personagem.

Em 1940, um ano após a primeira aparição do Batman, foi introduzido nas histórias o primeiro garoto prodígio, Robin. O personagem foi criado para dar um tom mais leve e menos soturno ao quadrinho. Neste mesmo ano, chegou às bancas a revista “Batman”, que introduziu duas personalidades marcantes no universo do Homem-Morcego: o Coringa e a Mulher-Gato.

DECLÍNIO

Em 1954, o psiquiatra alemão Fredric Wertham publicou o livro “A Sedução dos Inocentes”, no qual afirmava que os quadrinhos eram nocivos às crianças, além de alegar que Batman e Robin tinham uma relação homossexual. A obra influenciou o governo americano na criação do “Comics Code Authority”, selo censor dos quadrinhos americanos. A DC, para abafar a polêmica criada pelo livro, introduziu nas histórias a personagem Batwoman. A editora também impôs um tom mais aventuresco e colorido às novas futuras aventuras do Homem-Morcego, fazendo com que o título “Batman” despencasse nas vendas.

O tempo foi passando. Bons desenhistas, como Neil Adams e Marshall Rogers, trabalharam com o personagem, e ele passou a integrar a Liga da Justiça. Mas nada disso impediu a contínua queda nas vendas da HQ. Em 1986, o cenário mudou. Em ascensão, a lenda dos quadrinhos Frank Miller criou a HQ “O Cavaleiro das Trevas”, trazendo um Batman mais velho e violento, em um quadrinho adulto. A obra foi um sucesso de público e crítica e, juntamente com “Watchmen”, de Alan Moore, derrubou o código de censura dos quadrinhos.

AUGE

Outros quadrinhos como “A Piada Mortal” (também de Moore) e a “Morte em Família” estabeleceram Batman como um personagem sombrio, o verdadeiro Cavaleiro das Trevas. Anos depois o herói ganhou uma nova revista, passou por novos problemas e foi substituído.

Ele também ganhou uma família, salvou o mundo, viajou no tempo, morreu e voltou, foi reformulado e, hoje, continua combatendo o crime em novas histórias, inclusive na TV e no cinema.

80 anos do Batman
Foto:Arabson
80 anos do Batman

UM HERÓI DE TODAS AS MÍDIAS

Além dos quadrinhos, Batman também teve uma longa história nas telas. Em 1943, o personagem ganhou sua própria série de TV intitulada “O Morcego”, com 15 capítulos. No entanto, a real popularidade do Homem-Morcego veio com a série de 1966, “Batman e Robin”. Estrelada por Adam West (Batman) e Burt Ward (Robin) a série durou três temporadas, (1966-1968) e rendeu um filme para a televisão (1966), chamado no Brasil de “Batman, o Homem-Morcego”. Ambas as obras popularizaram o herói como um personagem engraçado e divertido, objetivo inicial dos roteiristas Lorenzo Semple Jr. e William Dozier.

Já no cinema, o Cavaleiro das Trevas teve altos e baixos. Ele foi introduzido nas telonas há 30 anos, em 1989, com “Batman”, filme dirigido por Tim Burton e com Michael Keaton no papel principal. O longa foi um sucesso de crítica e de público – arrecadando US$ 410 milhões ao redor do mundo – e mostrou, ao contrário da série de 1966, o lado sombrio do herói. Além disso, provou para os estúdios que, juntamente com “Superman” (1978), o cinema de herói poderia ser um investimento lucrativo.

Batman
Foto: Divulgação/Warner Bros.
Batman

Toda a bilheteria do filme rendeu uma sequência com a mesma equipe. Três anos depois (1992) chegava aos cinemas “Batman: O Retorno”, que não fez tanto sucesso quanto seu antecessor. O longa foi muito criticado por conter muitas piadas de cunho sexual e valorizar mais a estética do que a história.

A Warner, então, resolveu trazer de volta a franquia em outros dois filmes, ainda na década de 1990. Dessa vez sob o comando de Joel Schumacher, “Batman Eternamente” (com Val Kilmer) e “Batman & Robin” (com George Clooney) tinham um tom que lembrava a série de 1966, eram mais coloridos e engraçados. Apesar de não terem sido fracassos completos de bilheteria, os longas foram tão ruins que mataram a franquia por oito anos.

O Cavaleiro das TrevasRENASCIMENTO

Em 2005, o impossível aconteceu. A franquia retornou das cinzas com a trilogia do Cavaleiro das Trevas, dirigida por Christopher Nolan e protagonizada por Christian Bale. Foi um completo sucesso. Considerada genial, a visão de Nolan de um Batman realista arrecadou mais de US$ 2 bilhões e é lembrada até hoje pelo segundo longa da trilogia, “Batman: O Cavaleiro das Trevas”, que é considerado por muitos o melhor filme de herói já feito.

">

“Batman: Cavaleiro das Trevas Ressurge” marcou o fim da saga de Nolan em 2012. Entretanto, a franquia não ficaria apagada por muito tempo. Em 2016, Ben Affleck assumiu o manto do morcego em “Batman vs Superman” e, no ano seguinte, em “Liga da Justiça”. Mesmo sendo elogiado por seu trabalho, o ator abandonou o papel após críticas negativas.

Agora, o futuro do Cavaleiro das Trevas reside nas costas de Robert Pattinson, que irá interpretar Bruce Wayne em “The Batman”, filme dirigido por Matt Reeves previsto para 2021.

Leia também

Compartilhe



Mais no Gazeta Online