Show revive disco de "kavernistas" com participação de Edy Star

Último membro vivo do grupo com Raul Seixas e Sérgio Sampaio participa de montagem teatral do disco "Sociedade da Grã-Ordem Kavernista: Sessão das 10", com o Coletivo Taruíra

Publicado em 13/05/2019 às 20h35

Coletivo Taruíra faz apresentação de disco raro com músico Edy Star.
Foto:Dominique Lima
Coletivo Taruíra faz apresentação de disco raro com músico Edy Star.

O Coletivo Taruíra, grupo de artistas que fazem produções culturais no Espírito Santo, está de volta aos palcos para a apresentação do disco “Sociedade Grã-Kavernista Apresenta Sessão das 10”, lançado por Raul Seixas, Sérgio Sampaio, Edy Star e Mirian Batucada em 1971. Dessa vez, a montagem “Coletivo Taruíra apresenta Sessão das 10” conta com a participação especial de Edy Star, que, aos 81 anos, é o último “kavernista” vivo.

O álbum raro e desconhecido do grande público foi censurado e recolhido pela própria gravadora na época de seu lançamento. Apesar da falta de sucesso, o LP anárquico foi o primeiro disco gravado de Sérgio Sampaio, Edy Star e Mirian Batucada e marcou a fase em que Raul, antes Raulzito, assumiu o nome artístico Raul Seixas.

Fãs de Sérgio Sampaio e preocupados em fazer o resgate da obra musical do cachoeirense, os artistas Edivan Freitas (Edy Star), Julia Papel (Miriam Batucada), Juliano Rabujah (Sérgio Sampaio) e Yuri Guijansque (Raul Seixas) revivem o grupo kavernista nesta terça-feira (14), às 20h, no Teatro Universitário, em Vitória.

Raul Seixas, Miriam Batucada,  Edy Star e o capixaba Sérgio Sampaio gravaram disco em 1971
Foto:Sony Music/Divulgação
Raul Seixas, Miriam Batucada, Edy Star e o capixaba Sérgio Sampaio gravaram disco em 1971

“O espetáculo é uma somatória de esforços para reproduzir o que imaginamos quando ouvimos o disco. Levamos ao palco outros elementos que não são só musicais”, explica Fabio do Carmo, diretor musical da peça.

Aos 81 anos, Edy Star declara que a reprodução do álbum foi uma surpresa. “O LP vivia no ostracismo. Participar dessa apresentação é muito gratificante. Me sinto honrado e vaidoso por estar aqui. Tenho saudade das brincadeiras com Sérgio e Raul. Conheci Raul careta e tínhamos uma grande amizade”, conta Edy.

Sobre o nome pomposo do LP, Edy esclarece que não existe um sentido. “Esse título não passa de uma brincadeira e, por ser bem pomposo, gerou muita curiosidade sobre o que significava”, comenta ao dizer que várias suposições foram criadas.

Star foi a primeira pessoa a assumir publicamente a homossexualidade, em 1975. Durante o regime militar, o artista foi proibido de aparecer na televisão. “Eu fui um escândalo. Diziam que minha imagem era um atentado à moral e aos bons costumes”, relembra ao comentar o atual cenário político que conceitua como “de retrocessos”.

Edy Star faz apresentação de disco censurado, em 1971.
Foto:Dominique Lima
Edy Star faz apresentação de disco censurado, em 1971.

SÉRGIO SAMPAIO

O coletivo e Edy compartilham a admiração pela obra do cantor e compositor capixaba Sérgio Sampaio, morto em 1994. “Ele é visceral e fantástico. É imprescindível ter a música do Sérgio no meu show”, afirma Edy.

“Sampaistas de carteirinha”, como denomina o diretor musical do espetáculo, o coletivo vem desenvolvendo trabalhos de resgate da memória do músico. E a intenção do coletivo é circular com a produção para além da Capital. O grupo se apresenta na cidade natal do compositor, Cachoeiro de Itapemirim, no final de junho e também já recebeu convites para exibições no Rio de Janeiro. Eles planejam ainda exibições em Salvador (BA) e São Paulo (SP).

Serviço

"Sociedade Grã Ordem Kavernista apresenta SESSÃO das 10"

Quando: terça-feira (14), às 20h.

Onde: Teatro Universitário, Ufes, Av. Fernando Ferrari, 514, Goiabeiras, Vitória.

Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia). À venda na bilheteria do teatro e no site tudus.com.br.

 

 

Compartilhe



Mais no Gazeta Online