"Auto de Frei Pedro" pode voltar a ser encenado na Festa da Penha 2020

Uma iniciativa encabeçada pelo Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha pretende revitalizar o espetáculo, encenado pela primeira vez em 1983 e longe dos holofotes desde 2014

Publicado em 18/06/2019 às 09h02

Auto de Frei Pedro Palácios resgata a história da capitania do Espírito Santo desde o século XVI
Foto:Divulgação
Auto de Frei Pedro Palácios resgata a história da capitania do Espírito Santo desde o século XVI

Encenado pela última vez em 2014, o tradicional "Auto de Frei Pedro" pode retornar ao calendário cultural do Estado, especialmente para os festejos dos 450 anos da Festa da Penha. Durante vários anos, o espetáculo fez parte da programação da celebração religiosa de Vila Velha.

Uma ação comandada pelo Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha, em parceria com artistas da cidade, pretende conseguir os cerca de R$ 100 mil necessários para a produção do espetáculo. "A Prefeitura de Vila Velha prometeu repassar a veba para a encenação deste ano. Porém, o dinheiro não veio. Agora, vamos iniciar um projeto bem mais cedo e chamar a atenção da iniciativa privada”, garante Manoel Goes, presidente do Instituto.

Além do Instituto Histórico e Geográfico de Vila Velha, o projeto conta com participação de Marcos Ortiz e Jovany Sales, autores do espetáculo; o fotógrafo Elder Ferreira; o diretor Paulo de Paula; o historiador Roberto Abreu; e o publicitário Fernando Herrera. 

>Deputados querem que Festa da Penha seja feriado estadual

O gestor afirma que a ideia é inscrever o 'Auto' a tempo para a captação de recursos via leis de apoio a projetos artísticos, como a Lei de Incentivo à Cultura. "De qualquer forma, o espetáculo vai acontecer", diz.

Manoel Goes credita o descaso da PMV com a Cultura para justificar o hiato de cinco anos de um dos espetáculos mais tradicionais do Estado. O "Auto de Frei Pedro" foi encenado pela primeira vez em 1983. "Vamos aproveitar que a Prefeitura de Vila Velha prometeu restaurar o Largo do Frei Pedro Palácios - localizado na Prainha - e vamos procurá-los para lançar o nosso projeto. Nossa ideia é empregar mais de 120 pessoas, entre atores, técnicos e músicos", contabiliza.

RESGATE HISTÓRICO

A peça, de acordo com Goes, deve ser encenada neste espaço revitalizado. "Nossa ideia também é apoiar o restauro da estátua de Frei Pedro, esculpida por Carlo Crepaz, que está esquecida em frente a Câmara dos Vereadores de Vila Velha. A área do largo e da gruta da Prainha precisa ser totalmente remodelada. Vamos defender o uso de placas com informações históricas para os turistas", complementa.

Manoel Goes conta ainda que a iniciativa vai apostar em atores de Vila Velha. "Queremos fazer o espetáculo completo, com artistas da cidade. Também pretendemos valorizar membros do elenco que participaram das últimas montagens. Eles são a nossa prioridade", conta, adiantando que, até o final do ano, pretende organizar testes visando selecionar artistas para 2020.  

>Conheça as lendas sobre o Convento da Penha

A ideia é trabalhar o "Auto de Frei Pedro" durante todo o ano. "Queremos contar a história de forma multidisciplinar, com projetos para escolas municipais e montagens para rodar os bairros de Vila Velha. Precisamos valorizar a história e o passado que o capixaba não conhece".

Dividido em oito atos, o espetáculo conta a história do missionário espanhol Frei Pedro Palácios, o responsável por trazer a devoção a Nossa Senhora da Penha à capitania do Espírito Santo e a construção do Convento da Penha. O religioso é ligado as comemorações da colonização do solo espirito santense.

Compartilhe



Mais no Gazeta Online