"O Lago dos Cisnes" chega a Vitória com montagem grandiosa

Bailarinos do Teatro Municipal do Rio e da Escola de Dança Maria Olenewa apresentam o tradicional "O Lago dos Cisnes"

Publicado em 17/06/2019 às 19h52

Foto: Rodrigo Buás
O balé será apresentado pelo Corpo de Baile Escola de Dança Maria Olenewa

Um dos maiores clássicos da dança, o espetáculo “O Lago dos Cisnes” será apresentado no dia 18 de junho em Vitória com grandes nomes do balé nacional. Os primeiros bailarinos do Teatro Municipal do Rio de Janeiro, Claudia Mota e Filipe Moreira, e o Corpo de Baile da Escola de Dança Maria Olenewa executam a montagem clássica acompanhados pela Orquestra Camerata Sesi/Findes sob a regência do Maestro Leonardo David.

A peça do compositor russo Tchaikovsky é dividida em quatro atos e além de ser dançada pelas principais companhias do mundo, ganhou ainda mais fama após o filme “Cisne Negro”, dirigido por Darren Aronofsky e estrelado por Natalie Portman, que ganhou um Oscar pelo trabalho.

A obra também é marcada pela dificuldade de execução para os bailarinos, pois requer excelência e uma busca pela perfeição. “Já dancei várias vezes esse balé. ‘O Lago’ é um processo, é cansativo por ser uma preparação de se transformar em um cisne. É fazer o corpo criar asas. Requer muita preparação física, os braços cansam tanto quanto as pernas. Mas sempre quando recomeço é uma descoberta nova, procuro sempre fazer algo diferente e busco uma interpretação alem do que já fiz”, conta Claudia Mota, primeira bailarina do Teatro Municipal do Rio de Janeiro faz parte da apresentação.

Há mais de 12 anos no posto, Claudia está há 20 no Teatro Municipal. Formada pela Escola de Dança Maria Olenewa, começou sua trajetória fazendo estágio no Teatro aos 14 anos, passou por experiências na Europa e em Cuba até prestar concurso para retornar ao corpo do Municipal.

“É um cargo de muita responsabilidade porque você, querendo ou não, tem muita representatividade no cenário nacional e as pessoas se espelham no seu trabalho e em como você conduz sua carreira. Não é uma carga para mim, mas é um certo peso que você assume. Por isso procuro ser a mais correta possível para deixar como exemplo toda a minha história”, conta, em entrevista ao C2.

ENSAIOS

Esta montagem de “O Lago dos Cisnes” tem direção artística de Jorge Teixeira e 48 bailarinos no palco. Os ensaios aconteceram à distância, com apenas dois dias de ensaio geral.

“Esta montagem com a orquestra é uma grande aventura. É um ginásio, então construímos um palco pra receber o balé, já que não estamos em um teatro. A orquestra normalmente não aparece nos balés, fica dentro do fosso, mas desta vez ela faz parte do cenário. São muitos desafios mas será uma noite memorável e inédita no Espírito Santo”, diz o diretor Jorge Teixeira.

A ideia de juntar o balé com a Camerata surgiu do Gerente de Cultura do Sesi/Findes, Marcelo Lages, ex-bailarino do Teatro Municipal do Rio de Janeiro e coreógrafo consagrado internacionalmente. “Foi um esforço muito grande do Marcelo juntar as duas coisas. Mas era um sonho antigo”, entrega Jorge.

SINERGIA

Para esse espetáculo grandioso acontecer, a troca de energia entre bailarinos e músicos é essencial e requer dedicação de todos os envolvidos.

“Já regi óperas, muitas sinfonias, mas o balé completo é a primeira vez. Temos que ficar atentos às nuances, ao tempo dos bailarinos. É uma troca de informações muito intensa. Mas estou muito feliz coma oportunidade”, afirma o maestro Leonardo David.

Após a apresentação no Espírito Santo, todo o grupo embarca para o Rio de Janeiro. “O Lago dos Cisnes” também será apresentado com a Camerata nos dias 22 e 23 no palco do Teatro Municipal do Rio de Janeiro. Os ingressos para os dois dias já estão esgotados na capital fluminense.

SERVIÇO

 O Lago dos Cisnes

Quando: terça-feira, 18 de junho, às 20h.

Onde: Ginásio Sesi Jardim da Penha. R. Tupinambás, 240, Jardim da Penha, Vitória.

Quanto: R$30 (arquibancada inteira) R$40 (pista inteira).

Informações: (27) 3334-7300

Compartilhe



Mais no Gazeta Online