Sobrinho de João Gilberto fala das visitas do tio ao Espírito Santo

Morando até hoje no Estado, Pedro Augusto Sá conta que o pai da bossa nova vinha com frequência a Vitória visitar sua mãe Dadainha, a irmã que morava na Praia do Suá

Publicado em 12/07/2019 às 15h28

Atualizado em 12/07/2019 às 18h13

Foto: Arquivo pessoal

Na semana da morte de João Gilberto, o Gazeta Online continua trazendo novidades e ligações do ícone da Bossa Nova com o Espírito Santo. Depois de contarmos que o baiano passou a lua de Mel com a primeira esposa, Astrud Evangelina, na Praia do Suá, em Vitória, conversamos com Pedro Augusto Cézar Oliveira de Sá, engenheiro e sobrinho do músico que mora no Estado, que revelou algumas lembranças das passagens do tio por aqui.

Aos 64 anos, o sobrinho da lenda começa falando que sua mãe, Maria da Conceição Oliveira Sá - carinhosamente chamada de Dadainha - fazia bem o papel de irmã mais velha.  "Ele (João) não tomava nenhuma decisão sem consultar mamãe antes. Ela morreu há cerca de dois meses, aos 91 anos, vítima de uma parada cardiorrespiratória. Mesmo estando há uns três anos sem se ver, os dois se falavam por horas ao telefone diariamente", confidencia, detalhando: "Quando mamãe ficava mais de cinco minutos atendendo alguém eu já pensava: 'É o tio João".

Foto: Arquivo pessoal

Pedro conta que mora no Espírito Santo desde 1958, quando se mudou com seus pais - Dadainha e Péricles - para Vitória. Do ano seguinte - quando teve a lua de mel - até uns três anos atrás, sua casa se tornou o quintalzinho do pai da bossa nova. "Ele vinha com certa frequência e tinha uma relação forte com mamãe", diz ele.

De acordo com o sobrinho, a relação de sua mãe com o tio era "muito bonita", em suas próprias palavras. "Das três irmãs mulheres que ele tinha, foi praticamente a mãe dele, que cuidou dele. Porque as outras duas tinham uma diferença de idade muito grande, então não criaram esse laço", fala.

"A última vez que se viram foi há, ao menos, três anos. Mas o contato por telefone era frequente", completa.

O músico João Gilberto tocando na casa do sobrinho Pedro Augusto Sá, em Manguinhos, na Serra
Foto:Arquivo pessoal
O músico João Gilberto tocando na casa do sobrinho Pedro Augusto Sá, em Manguinhos, na Serra

PROXIMIDADE COM O TIO

Para o engenheiro, sua relação com um dos mais importantes ícones da música brasileira também era próxima. Depois que se formou, na Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Pedro foi estudar no Rio, onde concluiu seu mestrado, e morou por lá cerca de cinco anos. Destes, ao menos quatro passou ao lado do tio: "Ele me pedia para ajudá-lo em diversas atividades e eu passava muito tempo com ele".

Às vezes, eu até viajava com ele e me lembro de uma vez que ele estava em São Paulo e me pediu para ir até lá só para ajudá-lo a arrumar as malas
Pedro Augusto Sá, sobrinho de João Gilberto

CASA DA LUA DE MEL EXISTE ATÉ HOJE

A casa em que, em 1959, João Gilberto passou a lua de mel em Vitória existe até hoje. Ela fica em uma rua próxima à Avenida Cezar Hilal e foi point do músico para algumas das vezes que ele decidiu dar o ar da graça por aqui. "Depois meu pai construiu uma casa em Jucutuquara e a família foi morar lá. Quando mamãe ficou viúva, em 2001, ela foi morar na Praia do Canto, onde ficou até morrer", diz o sobrinho, que mora com a família em Manguinhos, na Serra.

A casa de Jucutuquara à que ele se refere, atualmente, está alugada e passa por reformas.

Dadainha, a irmã de João Gilberto; Pedro Sá e Cristina, sobrinhos de João Gilberto; e Kátia, esposa de Pedro Sá
Foto:Arquivo pessoal
Dadainha, a irmã de João Gilberto; Pedro Sá e Cristina, sobrinhos de João Gilberto; e Kátia, esposa de Pedro Sá

VISITANTES

Na ocasião em que passava mais dias na Ilha, João acabava atraindo músicos e admiradores que vinham de várias partes da Grande Vitória para conhecê-lo, como revelaram Luiz Paixão e Cariê Lindenberg à reportagem do Gazeta Online. Os dois são entusiastas da música brasileira que foram atrás do cantor quando souberam que ele estava na Capital. Mas não é para menos: o sobrinho do artista lembra da trajetória artística do tio com o maior orgulho.

Leia também

"Ele foi uma pessoa de extrema importância para a cultura, de um modo geral, e acho que todo mundo reconhece isso. Por isso queriam conhecer, ficavam atrás e tudo o mais", justifica.

Além de Pedro, o casal Dadainha e Péricles - irmã e cunhado de João Gilberto, respectivamente - deram à luz a Marta, que era afilhada do cantor; Maria das Mercês; Cristina, que nasceu em Vitória e quando casou-se contou com a presença do tio; e Péricles Filho, o Pequinho, que também é capixaba. Destes, Pedro é o mais velho e Péricles Filho, o mais novo.

Compartilhe



Mais no Gazeta Online