Vila Velha ganha loja compartilhada para artistas venderem suas obras

Espaço Ponte das Artes, na Glória, funciona de segunda a sábado

Publicado em 17/07/2019 às 14h38

Atualizado em 01/08/2019 às 18h27

Loja na Glória, em Vila Velha, reúne obras de vários artesãos capixabas para vender; espaço é como uma loja compartilhada que alavanca a economia criativa no mercado
Foto:PMVV/Divulgação
Loja na Glória, em Vila Velha, reúne obras de vários artesãos capixabas para vender; espaço é como uma loja compartilhada que alavanca a economia criativa no mercado

Um espaço colaborativo na Glória, em Vila Velha, pode ser o grande modelo de inovação que vai alavancar as vendas do artesanato capixaba. Há cerca de um mês, duas amigas se juntaram e inauguraram a Ponte das Artes - como é chamada a loja compartilhada. No local, nove artesãos já expõem peças em vitrines feitas com madeira reaproveitada e móveis reciclados para venderem de forma fixa durante o ano inteiro.

Lá, Paula Murad, que é uma das coordenadoras do espaço, destaca que os artesãos ficam sempre com visibilidade. "Estamos em um ponto legal e é um local fixo. Então, o ano inteiro teremos clientes. Já estamos recebendo muitas visitas, o pessoal está comprando e até turistas se sentem atraídos pela iniciativa. Com isso, nesta semana, recebemos encomendas até de Brasília", comemora, indicando que o local funciona, de segunda a sexta, das 9h às 18h, e aos sábados, das 9h às 13h.

Paula confidencia que o artesão interessado em expor seus trabalhos deve ir até o local. Em seguida, ele apresenta sua obra e firma um acordo com o estabelecimento, que é mantido pelos próprios colaboradores. "Não temos funcionários. Temos uma escala com os artesãos e somos nós quem cuidamos desde de a limpeza até as finanças e aluguel", reitera.

SELEÇÃO DE ARTESÃOS

Assim que é aprovado pela curadoria da dupla que idealizou a loja, o artesão deve assinar uma espécie de contrato que o obriga a ter alguns compromissos. Dentre eles, a permanência do artista na loja por, ao menos, seis meses.

"A gente entende que, às vezes, o artesão pode se desinteressar ou não querer mais expor. Mas, depois de assinado o documento, ele terá que honrar com o compromisso por seis meses", fala. Segundo Paula, a medida foi tomada para que a loja nunca fique vazia e o período de tempo escolhido também é considerado o mínimo para que o artesão crie público para se tornar mais conhecido.

PRODUTOS EXCLUSIVOS

Leia também

Por si só, o artesanato é um produto exclusivo. Como são feitos à mão, um nunca fica igual o outro e isso acaba agregando valor à peça. Na Ponte das Artes, os produtos que são selecionados também não podem ser repetidos, para evitar uma concorrência dentro do mesmo ambiente.

Para Paula, a ideia é oferecer a maior gama possível de produtos para que os clientes tenham uma variedade de artesanatos à disposição para comprar: "Se já tivermos alguém que produz bonecas de pano não vai poder ter outra pessoa que faz a mesma coisa. Aí a gente tenta negociar outros produtos para expor. Temos utensílios domésticos, lembranças de pontos turísticos de Vila Velha e do Estado e objetos de decoração, também".

Serviço:
Loja de Artesanato
Endereço: Avenida Jerônimo Monteiro, nº 696, na Glória.
Horário de funcionamento: segunda à sexta-feira das 9h às 18h; sábado das 9h às 13h.

Compartilhe



Mais no Gazeta Online