Cauby Peixoto e Ângela Maria fazem show amanhã do novo disco para mostrar que não vivem apenas dos sucessos e do glamour do passado

Publicado em 13/04/2016 às 12h24

Atualizado em 13/04/2016 às 16h40

Somando o tempo de carreira de Ângela Maria ao de Cauby Peixoto, chega-se ao número de 120 anos de música. É toda a história dessa parceria e amizade entre os dois cantores que o público capixaba vai experimentar em show amanhã, às 21h30 na área de eventos do Shopping Vila Velha.

O primeiro disco juntos veio em 1982, “Ângela & Cauby”, que imortalizou o dueto dos artistas. Dez anos depois, um álbum ao vivo se tornou um dos trabalhos mais vendidos de ambos.

O terceiro encontro dos dois em disco chegou às lojas no último mês dezembro; “Reencontro” revive uma das parcerias mais clássicas da música brasileira e traz interpretações de faixas conhecidas da nossa música popular.

Em plena atividade aos 85 anos e lançando um novo trabalho praticamente a cada ano, Cauby Peixoto fala com o C2 sobre sua saúde – o cantor esteve internado durante algumas semanas no ano passado, devido à diabetes – e revela que continua eclético e gosta de Luan Santana e Filipe Catto.

Ângela Maria é considerada por muitos a sua parceira perfeita. Por que decidiram gravar um terceiro disco, e como esse trabalho conversa com os dois primeiros discos?

Fazer um novo disco juntos foi uma forma de celebrar nossa carreira e nossa amizade. Os discos se completam na forma dos sucessos individuais e algumas canções que ainda não havíamos gravados juntos.

O senhor passou por uma internação no ano passado, como está de saúde?

Minha saúde está ótima. Fiz 85 anos no começo do ano em pleno trabalho, inclusive fazendo show no dia do aniversário. Graças a Deus tenho uma agenda cheia. Faço shows solo e também com a Ângela. Ainda nesta temporada lotamos o Teatro Municipal do Rio de Janeiro e já temos convite para retornar devido ao grande sucesso.

Nos últimos dez anos foram oito CDs e três DVDs lançados. De onde vem esse ritmo frenético de produção?

Gosto de cantar, de gravar e de me manter ativo. É sempre bom ter um trabalho novo para mostrar ao público. Minha maior alegria é cantar!

O senhor lançou novo disco no ano passado, cantando bossa nova. Como foi imprimir o seu estilo a um gênero musical tão diferente do seu?

Sempre coloquei meu estilo Cauby em tudo que faço. A bossa nova vem do jazz e isso eu já sou acostumado a cantar.

O senhor também gravou um disco com sucesso de Frank Sinatra. Enxerga semelhanças entre a sua carreira e a dele? Ambos são conhecidos por uma voz singular, há identificação?

Sinatra é um dos grandes ídolos que tenho e fazer um álbum com suas canções foi a melhor forma de homenageá-lo. A nossa identificação musical é grande.

O senhor acompanha a música brasileira atualmente? Conhece a nova safra da MPB?

Não costumo ouvir rádio e vejo pouca TV. Dos artistas novos, me identifico com Luan Santana. Ele tem um grande número de fãs como eu tinha quando comecei. Gosto da maneira que ele trata suas fãs, sempre com respeito e dedicação. Também admiro muito o cantor Filipe Catto pela afinação e seu trabalho.

Quais as músicas que escuta quando não está trabalhando?

Quando estou em casa costumo ensaiar meu repertório e relembrar algumas canções para meus shows.

Serviço: Cauby Peixoto e Ângela Maria 120 anos de música

Quando: Amanhã (14), às 21h30.

Onde: Área de eventos do Shopping Vila Velha, Avenida Luciano das Neves, 2418. Boa Vista, Vila Velha.

Ingressos: R$ 120 (cadeira bronze/1º lote), R$ 60 (cadeira bronze/1º lote). À venda no blueticket.com.br.

Informações: (27) 4062-9010

Compartilhe



Mais no Gazeta Online